CRIADOR DA INTERNET ALERTA PARA A DESCRIMINAÇÃO E ASSÉDIO ONLINE SOBRE AS MULHERES

Jovens e mulheres são cada vez mais vítimas de intimidação, assédio sexual e discriminação na Internet, alerta o criador da Internet, Tim Berners-Lee, a propósito do 31.º aniversário da World Wide Web que hoje se assinala.

Segundo o cientista britânico, uma sondagem da Web Foundation e da Associação Mundial de Raparigas Escuteiras, revelou que metade das inquiridas queixou-se de violência na Internet, incluindo assédio sexual, mensagens ameaçadoras e imagens privadas partilhadas sem consentimento.

“Esses abusos forçam as mulheres a deixarem os empregos e faz com que as raparigas faltem à escola, prejudica as relações e causam um grande sofrimento. O assédio implacável silencia as mulheres e priva o mundo das suas opiniões e ideias, levando mulheres jornalistas e políticas a sair das redes sociais e dos seus cargos”, denunciou.

Tim Berners-Lee, cuja ideia em 1989 de um “sistema de gestão descentralizada de informação” resultou na criação da Internet, lançou 20 anos depois, em 2009, a Fundação Web, uma organização que promove o desenvolvimento e acesso da Internet no mundo.

Na sua missiva, Berners-Lee apela para mais empenho no combate à discriminação, alertando para os riscos que algoritmos e sistemas de inteligência artificial representam.

“Frequentemente, os algoritmos reproduzem e até aprofundam as desigualdades existentes. Em 2018, uma importante ferramenta de recrutamento automatizado teve que ser fechada porque sub-selecionou sistematicamente mulheres devido à preparação com base em dados históricos em que as funções foram preenchidas por homens”, referiu.

Tim Berners-Lee considera a resposta à crise por governos e empresas “muito lenta e muito pequena” e identifica várias ações que devem ser tomadas em 2020 para resolver o problema.

Entre as medidas que propõe estão a realização de mais estudos sobre as experiências das mulheres no uso da Internet e um maior envolvimento na criação de políticas e produtos de tecnologia e urge tanto mulheres como homens a serem “espetadores ativos” e a intervirem.

“Todos nós devemos denunciar quando vemos ataques contra mulheres e raparias na Internet”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.