RÁDIO REGIONAL
REGIÕES

FOGOS MOBILIZAM CERCA DE 1000 OPERACIONAIS, MAIS DE METADE EM VILA REAL

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Mais de 1.000 bombeiros combatiam às 18h00 de hoje 10 incêndios ativos no país, com mais de metade dos operacionais em três fogos no distrito de Vila Real, segundo a Proteção Civil.

De acordo com a informação disponível às 18h00 na página da internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), no terreno a combater os fogos ativos estavam 1.007 bombeiros, apoiados por 293 veículos e 19 meios aéreos.

No distrito de Vila Real há três incêndios ativos, nos concelhos de Vila Pouca de Aguiar, Murça e Chaves, que mobilizam um total de 613 operacionais, 187 veículos e nove meios aéreos.

O fogo que deflagrou na sexta-feira à tarde em Bustelo (Chaves), e que chegou a ser dado como dominado, é combatido por 181 operacionais, com o apoio de 52 veículos e dois meios aéreos. Este incêndio, que já lavra em território espanhol, provocou no domingo danos em pelo menos sete habitações, cinco das quais devolutas, e em vários anexos.

Ainda no distrito de Vila Real, em Murça, o fogo está a ser combatido por 231 operacionais, 74 veículos e seis meios aéreos, enquanto o incêndio de Vila Pouca de Aguiar, contiguo ao de Murça, mobiliza 201 bombeiros, 101 veículos e um meio aéreo. Ambos deflagararam no domingo à tarde.

Hoje à tarde deflagrou um incêndio perto da cidade da Guarda, que obrigou ao corte do Itinerário Principal 5, entre Alvendre e Porto da Carne, e da estrada municipal que serve a localidade de Alvendre. Às 18:00 estavam mobilizados para este fogo 158 operacionais, 49 veículos e seis meios aéreos.

Já o fogo que deflagrou no domingo à tarde no concelho do Fundão, e que se alastrou posteriormente ao concelho vizinho da Covilhã, ambos no distrito de Castelo Branco, foi dado como dominado às 13h25.

Neste fogo, que teve uma progressão inicial de 2,5 quilómetros por hora, mantêm-se 289 operacionais e 89 veículos.

Em resolução, às 18:00, estavam sete incêndios, com um total de 489 operacionais, 144 veículos e um meio aéreo.

Portugal continental passou hoje para situação de alerta, o nível de resposta mais baixo previsto na Lei de Bases da Proteção Civil, depois de ter estado durante sete dias em situação de contingência (nível intermédio entre alerta e calamidade), devido ao risco extremo de incêndio rural e elevadas temperaturas.

A situação de alerta prolonga-se até às 23h59 de terça-feira, dia em que voltará a ser reavaliada a situação.

Os incêndios florestais consumiram este ano 43.721 hectares, cerca de 30.000 dos quais desde 08 de julho, segundos dados provisórios do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Desde dia 07, os fogos provocaram um morto (o piloto de uma aeronave de combate aos fogos que se despenhou), cinco feridos graves, 109 feridos ligeiros e 95 pessoas assistidas.

Desde o dia 08, quando começaram a deflagrar os incêndios de maior dimensão, 960 pessoas foram retiradas das suas casas e 431 abrigadas nas zonas de concentração e apoio à população, tendo a maioria já regressado às suas habitações.

VEJA AINDA:

INCÊNDIOS: PARQUE NATURAL DA ESTRELA VAI LEVAR DÉCADAS A RECUPERAR – QUERCUS

Lusa

PORTO: TROTINETES CIRCULAM POR ZONAS PEDONAIS PROIBIDAS

Lusa

VILA REAL: JUDICIÁRIA DETEVE TRÊS SUSPEITOS DE ATEAR 16 INCÊNDIOS – MONTALEGRE

Lusa

VILA POUCA DE AGUIAR: APICULTORES PREOCUPADOS COM ANOS SUCESSIVOS DE BAIXA PRODUÇÃO

Lusa

ALMANCIL: CORPO DA DESAPARECIDA SANDRA ANDRADE ENCONTRADO EM QUARTEIRA

Lusa

VILA REAL: CHUVA E TROVOADA PROVOCA QUEDA DE ÁRVORES E INCÊNDIOS

Lusa