RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

GUERRA: EUA E INGLATERRA ACUSAM RÚSSIA DE CIBERATAQUES À UCRÂNIA

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Os Estados Unidos e o Reino Unido acusaram hoje a Rússia de ser responsável pelos ciberataques desta semana contra o Ministério da Defesa da Ucrânia e grandes instituições bancárias deste país.

Os ataques desta semana foram de “impacto limitado”, já que as autoridades ucranianas conseguiram rapidamente repor as redes ‘online’, mas é possível que os russos estivessem a preparar as bases para invasões mais destrutivas, disse a principal autoridade de segurança cibernética da Casa Branca, Anne Neuberger.

As autoridades ucranianas classificaram os ciberataques de terça-feira como os piores da história do país.

Enquanto interromperam os serviços bancários ‘online’, os ataques impediram algumas comunicações do governo e foram provocados para causar o pânico, de acordo com o principal engenheiro de ataques de negação de serviço distribuído (DDoS) da empresa de segurança cibernética Netscout, Roland Dobbins.

“A maioria dos DDoS são bem-sucedidos devido à falta de preparação dos atacados”, disse Dobbins, acrescentando que a maioria dos serviços comerciais de segurança projetados para combater as investidas provavelmente seriam capazes de afastar os ataques de terça-feira.

O Reino Unido, por seu lado, culpou a Rússia na noite de hoje pelos ataques cibernéticos que visaram o setor financeiro ucraniano, nos quais Moscovo negou qualquer envolvimento.

“O governo britânico acredita que a inteligência militar russa (GRU) esteve envolvida nos ataques de ‘computadores’ esta semana… contra o setor financeiro na Ucrânia”, disse um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, citado em comunicado.

VEJA AINDA:

PUTIN RESPONDE À NATO E SOBRE A UCRÂNIA ASSEGURA QUE ‘NADA MUDOU’ – GUERRA

Lusa

KIEV SAÚDA ‘POSIÇÃO LÚCIDA’ DA NATO SOBRE A RÚSSIA

Lusa

UCRÂNIA PODE CONTAR COM APOIO DA NATO ‘O TEMPO QUE FOR NECESSÁRIO’ – STOLTENBERG

Lusa

CRESCIMENTO DA AQUICULTURA LEVA PRODUÇÃO A NÍVEL RECORDE EM 2020

Lusa

LIMITAR AQUECIMENTO GLOBAL A 1,5 GRAUS REDUZIRÁ SIGNIFICATIVAMENTE RISCOS PARA HUMANOS

Lusa

STOLTENBERG: ‘FINLÂNDIA E SUÉCIA TORNARÃO A NATO MAIS FORTE’

Lusa