Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

GUERRA: UCRÂNIA NÃO ABDICA DE TODO O SEU TERRITÓRIO, INCLUSIVE CRIMEIA

O chefe da diplomacia ucraniano afirmou hoje que Kiev não desistirá de exigir a retirada das forças russas da Crimeia, bem como das outras zonas da Ucrânia que Moscovo ilegalmente anexou mais recentemente, para que a guerra termine.

Online há

em

O chefe da diplomacia ucraniano afirmou hoje que Kiev não desistirá de exigir a retirada das forças russas da Crimeia, bem como das outras zonas da Ucrânia que Moscovo ilegalmente anexou mais recentemente, para que a guerra termine.

Descrevendo o conflito na Ucrânia como “uma ferida a sangrar no meio da Europa”, o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, defendeu que todo o território do seu país deve ser tratado de igual forma perante o Kremlin, após a sua invasão em grande escala há mais de 13 meses.

“Estamos unidos em torno dos princípios da Carta das Nações Unidas e da convicção comum de que a Crimeia é Ucrânia e voltará a estar sob o controlo da Ucrânia“, sublinhou Kuleba, ao intervir por videoconferência na Conferência sobre a Segurança no Mar Negro, a decorrer na capital romena, Bucareste.

“De cada vez que se ouve alguém de qualquer ponto do mundo a dizer que a Crimeia é, de algum modo, [um caso] especial e não deve ser devolvida à Ucrânia, como qualquer outra parte do nosso território, essa pessoa tem de saber uma coisa: a Ucrânia discorda categoricamente de tais declarações“, insistiu o ministro ucraniano.

A Rússia anexou a Crimeia em 2014 e, durante a guerra que trava na Ucrânia desde que invadiu o país, em fevereiro do ano passado, tem expandido a sua presença no território ucraniano.

Atos de sabotagem ocasionais e outros ataques a infraestruturas militares russas ou de outra natureza naquela península ocorreram desde então, e o Kremlin sempre acusou a Ucrânia de os ter cometido. O Governo de Kiev não reivindicou qualquer responsabilidade em tais ações, mas saúda todos os esforços para expulsar os russos da região.

O Kremlin quer que Kiev reconheça a soberania da Rússia sobre a Crimeia e também a sua anexação, em setembro passado, das províncias ucranianas de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia.

A Ucrânia rejeitou essas exigências e não entabulará negociações de paz com a Rússia enquanto as tropas de Moscovo não retirarem de todos os seus territórios ocupados.

INTERNACIONAL

PORTUGAL E ITÁLIA SÃO OS PAÍSES MAIS ENVELHECIDOS DA UNIÃO EUROPEIA

Portugal é, a par de Itália, o país da União Europeia (UE) com maior percentagem de população idosa, existindo quase dois idosos por cada jovem, revelou hoje a PORDATA.

Online há

em

Portugal é, a par de Itália, o país da União Europeia (UE) com maior percentagem de população idosa, existindo quase dois idosos por cada jovem, revelou hoje a PORDATA.

A população idosa em Portugal tem crescido mais de dois por cento ao ano, desde 2019, com o número de pessoas com 100 anos a ultrapassar as 3.000, segundo os dados divulgados pela base de dados no Dia Mundial da População.

“A população em Portugal está a envelhecer”, notou a plataforma de estatística, referindo que a idade mediana aumentou de 38,5 para 47 anos em duas décadas.

Mais de 2,5 milhões de pessoas têm 65 anos ou mais.

“O envelhecimento verifica-se ainda no número de indivíduos em idade ativa por idoso: há 2,6 ativos por cada idoso. Há 20 anos, eram quatro por cada idoso”, segundo a base de dados.

Apenas dois municípios têm mais jovens dos que idosos, Lagoa e Ribeira Grande, nos Açores.

“Há 10 anos, havia 36 municípios portugueses com mais jovens por idosos”, de acordo com a mesma fonte. “O nosso país é o segundo da UE com maior índice de envelhecimento e o quarto do mundo com maior proporção de população idosa”.

A plataforma deu também destaque aos dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) este ano, ao referir que o país tem atualmente o maior número de residentes das últimas décadas: 10,6 milhões.

Da análise dos dados ressalta que os portugueses estão “mais sozinhos”, há mais casais sem filhos e mais de um milhão de pessoas vive só.

Mais de metade das pessoas que vivem sozinhas são idosas (55%), o que faz de Portugal o quarto país da União Europeia com maior percentagem de idosos a viver só no total de pessoas nesta condição.

Os casamentos celebrados entre estrangeiros quase duplicaram na última década, passando de 767 em 2013 para 2.163 no ano passado.

Já as celebrações de casamentos entre portugueses e estrangeiros aumentaram três pontos percentuais, representando 15% dos matrimónios no período em análise, num total de 5.409 em 2023.

Os saldos migratórios quase duplicaram nos últimos dois anos.

LER MAIS

INTERNACIONAL

PORTUGUESES DOS MAIS INFORMADOS SOBRE AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

Os portugueses são dos cidadãos da União Europeia (UE) mais informados sobre as consequências das alterações climáticas, indicam as conclusões de um inquérito do Banco Europeu de Investimentos (BEI) divulgado hoje.

Online há

em

Os portugueses são dos cidadãos da União Europeia (UE) mais informados sobre as consequências das alterações climáticas, indicam as conclusões de um inquérito do Banco Europeu de Investimentos (BEI) divulgado hoje.

O inquérito sobre o clima, em sexta edição, centra-se no conhecimento que as pessoas têm sobre as alterações climáticas nas vertentes, Definições e Causas, Consequências e Soluções, tendo sido inquiridas mais de 30.000 pessoas na UE e em mais oito países.

Tendo em conta apenas os países da UE, Portugal surge na quarta posição em termos de conhecimento. Mas os autores do inquérito salientam que embora os portugueses compreendam as causas e as consequências das alterações climáticas, conhecem menos as soluções. A mesma tendência aplica-se ao resto da Europa.

Como exemplo, diz-se no documento hoje divulgado pelo BEI, a maior parte dos inquiridos portugueses desconhecia que a redução dos limites de velocidade ou um melhor isolamento das casas ajudavam a combater as alterações climáticas.

Nas Definições e Causas das alterações climáticas o conhecimento dos portugueses é superior à média da UE (7,62 contra 7,21, numa escala de zero a 10), com apenas 03% dos inquiridos a dizer que as alterações climáticas são um embuste (a taxa mais baixa de negacionistas da UE).

Com mais de três quartos (79%) a apontar as atividades humanas como das principais causas das alterações climáticas, só 12% disse acreditar que estas se devem a fenómenos como vulcões, e 09% apontou como causa o buraco da camada do ozono.

Nas Consequências a pontuação de Portugal é muito acima da média europeia (8,67 contra 7,65), com 93% dos inquiridos a saber por exemplo que as alterações climáticas têm um impacto negativo na saúde humana, e 91% a referir que afetam o rendimento das culturas. A maioria, 85%, também apontou como outra consequência a subida do nível do mar.

Nas soluções (pontuação de 4,40 face a 4,25 de média da UE) o inquérito indica que 82% dos portugueses sabe que a reciclagem ajuda a atenuar as alterações climáticas, e 77% mencionou a importância dos transportes públicos.

A maioria dos inquiridos desconhece a existência de emissões significativas de dióxido de carbono relacionadas com a utilização das tecnologias digitais, sendo que apenas 03% sabe que ver menos vídeos em linha pode contribuir para fazer face à emergência das alterações climáticas.

Citada no documento de divulgação do inquérito, a presidente do BEI, Nadia Calviño, afirmou: “O Banco Europeu de Investimento é o Banco do Clima e a ação climática é o desafio decisivo da nossa geração. Estamos empenhados em financiar projetos eficazes que combatam as alterações climáticas e em melhorar a sensibilização para esta questão premente. É deveras encorajante observar que os portugueses estão entre os mais bem informados sobre o tema na Europa”.

O BEI, diz o comunicado, desempenha um papel fundamental no financiamento de soluções para as alterações climáticas e na sensibilização para o problema.

No ano passado, o BEI financiou em Portugal projetos no valor total de 746 milhões de euros, destinados a combater as alterações climáticas e a apoiar a sustentabilidade ambiental.

O Banco Europeu de Investimento apoia igualmente programas educativos e académicos no domínio do clima.

A instituição de financiamento a longo prazo da UE está presente em mais de 160 países.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS