Ligue-se a nós

REGIÕES

PORTO: HÓTEIS COM RESERVAS ENTRE 20% A 70% NO NATAL E 50% A 75% NO ‘REVEILLON’

Vários hotéis do Porto registam, ao dia de hoje, taxas de reservas para o Natal entre 20% a 70% e para o ‘réveillon’ entre os 50% e 75%, ocupações bem “mais altas” do que nas festividades de 2020.

Online há

em

Vários hotéis do Porto registam, ao dia de hoje, taxas de reservas para o Natal entre 20% a 70% e para o ‘réveillon’ entre os 50% e 75%, ocupações bem “mais altas” do que nas festividades de 2020.

No Hotel Sheraton do Porto, na Avenida da Boavista, as reservas para o Natal estão hoje nos 50% e para o ‘réveillon’ está entre os 60% e 75%, revelou à agência Lusa Joana Almeida, diretora daquela unidade hoteleira de luxo.

As reservas para a época natalícia estão a ser feitas cada vez mais “em cima da hora”, uma tendência que existia antes da pandemia, mas que a covid-19 veio tornar mais evidente, principalmente da parte de turistas que vêm de países com mais restrições do que Portugal, como por exemplo a Alemanha, explica Joana Sequeira.

Além das restrições nas viagens e da imposição de quarentenas por causa da covid-19, o cancelamento das festividades na cidade do Porto também não vieram ajudar o setor turístico, acrescenta.

No Hotel The Yeatman há uma “boa ocupação” para o Natal até à data e para a Passagem de Ano “apesar de ainda haver alguns quartos disponíveis, a procura mantém-se elevada e, de facto, o hotel está quase cheio”, avançou à Lusa Jan-Erik Ringertz, diretor do hotel vínico de luxo, localizado em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto.

Segundo Jan-Erik Ringertz, as reservas estão claramente “mais elevadas” este ano em relação a 2020.

“Em 2020, a pandemia estava no auge, estávamos quase todos em ‘lockdown’ (confinamento] total, e, por isso, havia muito mais condicionantes para o setor e para a população, o que acabou por se traduzir na redução do número de reservas”, observou.

Jan-Erik Ringertz assume ter algumas “preocupações” para o futuro, designadamente o “facto de os EUA terem considerado que Portugal é um país de alto risco” e as limitações dos mercados internacionais, principalmente do primeiro trimestre.

“Depois do primeiro trimestre, acreditamos que surja uma recuperação. No entanto, ainda existem muitas hesitações e informação a ser esclarecida no que diz respeito à nova variante ómicron, pelo que, como tem sido até agora, vamos ter de nos adaptar à incerteza”, observou Jan-Erik Ringertz.

No Hotel Dom Henrique, unidade de referência na baixa do Porto, e que suspendeu a atividade em novembro de 2020 devido à falta de turistas por causa da pandemia, está com um nível de taxa de reservas para a noite de Natal na ordem dos 70% e para a noite da Passagem de Ano a rondar os 75%, conta Joaquim Simões, diretor de alojamento.

“A taxa de ocupação está simpática, mas o aumento de casos de covid-19 pode levar a cancelamentos, como aconteceu nos feriados do início do mês de dezembro em que estávamos com taxas de ocupação de 95%, mas depois houve uma taxa de cancelamentos elevada”, declarou, reconhecendo que a notícia de uma nova estirpe do vírus Sars-coV-2 e de uma quinta vaga da covid-19 pode ter causado esses cancelamentos.

Joaquim Simões refere que todos os dias se têm registado cancelamentos no Dom Henrique.

“Tudo pode mudar até ao Natal”, desabafa.

O Hotel Dom Henrique encerrou em 01 de novembro de 2020 devido à crise no setor turístico por causa da pandemia, mas este ano esse cenário não está na calha.

“Para já não tenho indicações da direção para encerrar”, avançou.

As taxa de reservas para o Hotel Moov do Porto Centro, para os dias 24 e 31 de dezembro, “são animadoras”, registando-se ao dia de hoje reservas a rondar os 20% e os 58%, respetivamente, avançou, por seu turno, Mariana Ramos, responsável de vendas e marketing dos hotéis Moov, do grupo Endutex.

“A quadra festiva é sinónimo de grande ânimo” para o setor da hotelaria e, depois da experiência do ano passado, também de oportunidade de recuperação. O ano revela-se já melhor do que 2020, mas ainda sem sentir um grande volume de procura. De um modo geral, podemos partilhar que a maioria das unidades Moov regista mais reservas nesta fase comparativamente ao que assistimos no ano passado, num cenário de pandemia, e com taxas de crescimento a rondar os 14% – 17%, e no caso do Moov Porto Centro os 49% para a Passagem de Ano”, acrescenta Mariana Ramos.

As “incertezas confirmadas pela mais recente atualização do Governo quanto às medidas de prevenção à covid-19 tiveram “impacto” no nível de reservas para as celebrações do Natal e Passagem de Ano.

“Depois do anúncio da nova estirpe ómicron, recebemos alguns pedidos para cancelamentos de reservas imediatos. Registávamos ainda níveis de reserva a quase 100% para os feriados de 1 e 8 de dezembro, mas sofremos alguma redução de ocupação”, recorda Mariana Ramos.

REGIÕES

PORTO: OBRAS DO METRO CORTAM TRÂNSITO NA RUA DAS DEVESAS ATÉ 2027

A Rua Barão do Corvo, nas Devesas, em Gaia, estará cortada ao trânsito a partir de segunda-feira e até janeiro de 2027 devido às obras da Linha Rubi do Metro do Porto, informou o município.

Online há

em

A Rua Barão do Corvo, nas Devesas, em Gaia, estará cortada ao trânsito a partir de segunda-feira e até janeiro de 2027 devido às obras da Linha Rubi do Metro do Porto, informou o município.

Em causa está uma interrupção do trânsito automóvel na Rua Barão do Corvo, entre a Rua Visconde das Devesas e a Rua José Mariani (aproximadamente a 100 metros para nascente desse arruamento), bem como na Rua Felizardo Lima, junto à Rua Barão do Corvo.

Segundo informação disponível do ‘site’ da autarquia, a interrupção de trânsito deverá entrar em vigor na segunda-feira e durar até 16 de janeiro de 2027.

A Linha Rubi ligará Santo Ovídio à Casa da Música através de uma nova ponte sobre o Douro, e contará com uma estação nas Devesas, que fará ‘interface’ com o comboio e autocarros, tendo de estar pronta até final de 2026.

Já desde esta semana estão em vigor mudanças de sentido de trânsito nas ruas Mouzinho de Albuquerque, entre o cruzamento com a Rua Alexandre Braga e a Rua Visconde das Devesas, de sentido sul/norte para sentido norte/sul, e na Rua Heliodoro Salgado, entre a Rua Conselheiro Veloso da Cruz e a Rua Professor Manuel Pires Veloso, de sentido sul/norte para sentido norte/sul.

Também vários arruamentos de sentido único foram adaptadas a dois sentidos, casos das ruas José Mariani, entre o cruzamento da Rua Carlos Guedes de Amorim e a Rua Visconde das Devesas/Rua José Fontana, Rua Barão do Corvo, para nascente da Rua José Mariani, até à zona de obra, para acesso a habitações/lojas, e Rua Felizardo Lima, para norte no cruzamento com a Travessa Visconde das Devesas.

Já na Rua Professor Manuel Pires Veloso dá-se uma mudança de dois sentidos para um único (norte-sul).

Quanto a desvios pedonais, será sempre garantido acesso pedonal pela Rua Barão do Corvo, de acordo com a fase de execução dos trabalhos, de demolição e escavação da Estação das Devesas, bem como o atravessamento da Rua Felizardo Lima através de passadeira, encaminhando para a Travessa Visconde das Devesas.

Será ainda proibido o estacionamento na Rua Heliodoro Salgado.

O valor global de investimento da Linha Rubi (Casa da Música – Santo Ovídio, incluindo nova ponte sobre o rio Douro) é de 435 milhões, um investimento financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

A Linha Rubi, com 6,4 quilómetros e oito estações, inclui uma nova travessia sobre o Douro, a ponte D. Antónia Ferreira, a Ferreirinha, que será exclusivamente reservada ao metro e à circulação pedonal e de bicicletas.

Em Gaia, as estações previstas para a Linha Rubi são Santo Ovídio, Soares dos Reis, Devesas, Rotunda, Candal e Arrábida, e no Porto Campo Alegre e Casa da Música.

A empreitada tem de estar concluída até ao final de 2026.

LER MAIS

REGIÕES

CARRAZEDA DE ANSIÃES: HOMEM CONSTITUÍDO ARGUIDO POR PROVOCAR INCÊNDIO

A Guarda Nacional Republicana (GNR) constituiu arguido um homem de 41 anos em Marzagão, Carrazeda de Ansiães, por ter ateado um incêndio de forma negligente enquanto manuseava uma motorroçadora, informou hoje a autoridade.

Online há

em

A Guarda Nacional Republicana (GNR) constituiu arguido um homem de 41 anos em Marzagão, Carrazeda de Ansiães, por ter ateado um incêndio de forma negligente enquanto manuseava uma motorroçadora, informou hoje a autoridade.

O caso remonta a 16 deste mês, no distrito de Bragança. A investigação conduzida pela GNR permitiu perceber que a ignição aconteceu durante a realização de atividades agrícolas com uma motorroçadora, de forma negligente, num terreno junto a uma mancha florestal.

A GNR conseguiu identificar o responsável pelos trabalhos que estavam em curso, onde não foram mantidos os cuidados necessários de vigilância. Os factos foram remetidos para o tribunal de Vila Flor.

A Guarda relembrou que a Linha SOS Ambiente e Território – 808 200 520 – funciona em permanência, para a denúncia de infrações ou esclarecimento de dúvidas.

LER MAIS

MAIS LIDAS