Ligue-se a nós

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

IDENTIFICADO UM NOVO SEMICONDUTOR QUE BATE RECORDES DE VELOCIDADE

Um grupo de cientistas assegurou que identificou um semicondutor capaz de bater recordes de velocidade, um material identificado como Re6Se8Cl2 pelos investigadores da Universidade norte-americana de Columbia, em artigo publicado na revista Science.

Online há

em

Um grupo de cientistas assegurou que identificou um semicondutor capaz de bater recordes de velocidade, um material identificado como Re6Se8Cl2 pelos investigadores da Universidade norte-americana de Columbia, em artigo publicado na revista Science.

Os semicondutores, sobretudo o silício, são a base dos computadores, telemóveis e outros dispositivos eletrónicos, mas têm limitações, apesar da sua omnipresença.

“Em termos de transporte de energia, o Re6Se8Cl2 é o melhor semicondutor que conhecemos, até agora”, disse o investigador Milan Delor.

A Universidade de Columbia explica que quando o doutorando Jack Tulyag levou, pela primeira vez, o Re6Se8Cl2 ao laboratório de Delor, não o fez para procurar um semicondutor novo e melhorado, ma para provar a resolução dos microscópios com um material que, em princípio, não deveria ter conduzido quase nada.

“Foi o contrário do que esperávamos”, disse Delor. “Em vez do movimento lento que esperávamos, vimos o mais rápido de sempre”.

A Descoberta pode ajudar a superar as deficiências dos semicondutores, asseguraram os cientistas.

Os semicondutores têm as suas limitações. A estrutura atómica de qualquer material vibra, o que cria unas partículas quânticas chamadas fonões.

Por sua vez, os fonões fazem com que as partículas – eletrões ou excitones — que transportam a energia e a informação pelos dispositivos eletrónicos se dispersem em questão de nanómetros e femtosegundos.

Isto significa que a energia se perde em forma de calor e que a transferência da informação tem um limite de velocidade, pelo que se procuram melhores opções.

Uma delas é este material denominado Re6Se8Cl2. No seu caso, em vez de se dispersar quando entram em contacto com os fonões, os excitones unem-se a eles para criar novas quase partículas.

Estas novas quase partículas em Re6Se8Cl2 têm uma propriedade especial: são capazes de fluir de forma balística ou sem dispersão. Isto pode levar, no futuro, a dispositivos mais rápidos e eficientes, concluíram os investigadores.

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

CIENTISTAS DESCOBREM UM TRATAMENTO INOVADOR PARA O CANCRO DA MAMA

Cientistas desenvolveram um gel termossensível como tratamento local para os cancros da mama HER 2+, que estão entre aqueles com pior prognóstico, foi esta quinta-feira divulgado.

Online há

em

Cientistas desenvolveram um gel termossensível como tratamento local para os cancros da mama HER 2+, que estão entre aqueles com pior prognóstico, foi esta quinta-feira divulgado.

A investigação, liderada por Eva Martín del Valle, do Instituto de Pesquisas Biomédicas de Salamanca (IBSAL), permitiu desenvolver um sistema inovador de administração de medicamentos para a terapia local do cancro da mama, que consiste num gel termossensível e injetável, que inclui nanopartículas inteligentes para atacar o tumor localmente, noticiou a agência Efe.

O trabalho, publicado no Journal of Pharmaceutical Sciences e no qual também colaboraram investigadores das áreas de Engenharia Química e de Informática e Automação da Universidade de Salamanca e do Instituto de Medicina Translacional de Birmingham, será agora completado com o desenvolvimento de modelos computacionais que simular a aplicação deste gel para preenchimento da área afetada em intervenções de cancro da mama.

Está também a ser realizado um estudo em colaboração com o professor Sasa Kenjeres, da prestigiada Universidade de Delft, que também será publicado em breve, adiantou o IBSAL em comunicado.

“Os sistemas locais de administração de medicamentos são fundamentais no tratamento do cancro, pois oferecem uma série de vantagens que melhoram a eficácia terapêutica e reduzem os efeitos colaterais associados aos tratamentos convencionais”, sublinhou Martín.

A responsável pelo grupo de Nanotecnologia para Tratamento do Cancro do IBSAL trabalha há anos em biomateriais “que oferecem oportunidades” para conceber sistemas de administração mais eficientes e específicos que “podem revolucionar a forma como o tratamento do cancro é abordado”, através de estratégias terapêuticas mais personalizadas.

A equipa desenvolveu um material que é líquido à temperatura ambiente e se transforma em sólido à temperatura fisiológica (37 graus), graças à combinação dos dois componentes utilizados, o polímero PF-127 e a goma gelana, ambos aceites pela agência para os medicamentos e alimentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês), como biocompatível com humanos e normalmente utilizado em alimentos.

Este hidrogel contém ainda um sistema de libertação nanotecnológico que permite “libertar” dois componentes farmacológicos numa área específica, “um que impede a formação de novas células tumorais e outro que mata as células tumorais”, frisou a investigadora.

LER MAIS

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

INVESTIGADORES APROVEITAM O PÓ DA CORTIÇA PARA REMOVER POLUENTES DAS ÁGUAS

Portugal é o maior produtor de cortiça do mundo e já se conhecem muitas aplicações verdes deste material já de si associado à sustentabilidade. Um dos resíduos que resultam da transformação da cortiça – por exemplo para as rolhas das garrafas – o pó, é tipicamente queimado, e agora, na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) está a ser reaproveitado para criar um método mais sustentável para a remoção de poluentes das águas residuais.

Online há

em

Portugal é o maior produtor de cortiça do mundo e já se conhecem muitas aplicações verdes deste material já de si associado à sustentabilidade. Um dos resíduos que resultam da transformação da cortiça – por exemplo para as rolhas das garrafas – o pó, é tipicamente queimado, e agora, na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) está a ser reaproveitado para criar um método mais sustentável para a remoção de poluentes das águas residuais.

No âmbito do projeto “Corkcatcher: Adsorventes magnéticos com base em resíduos de cortiça para remediação ambiental”, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, já alcançaram resultados promissores. Estão a adicionar propriedades a este pó para agarrar alguns dos poluentes mais preocupantes nas águas residuais: iões de metais pesados, corantes e antibióticos. São depositados, diariamente, cerca de dois milhões de toneladas de resíduos nas águas, em todo o mundo.

“O pó da cortiça é um material extremamente interessante visto possuir porosidade, ou seja, cavidades que podem acomodar os poluentes de águas”, começa por explicar o líder do projeto Carlos Granadeiro, investigador do Laboratório Associado para a Química Verde (LAQV-REQUIMTE) na FCUP. “Contudo, esta porosidade não é acessível, isto é, não há uma passagem do exterior até aos poros”, comenta.

Assim, através do método de síntese desenvolvido no projeto Corkcatcher, “foi-nos possível tornar essa porosidade acessível (e até aumentá-la) e simultaneamente conferir propriedades magnéticas ao material”. E quanto maiores os poros, maior a capacidade de armazenar os poluentes. O objetivo dos investigadores é tornar a aplicação deste resíduo viável do ponto de vista económico e ambiental.

“A grande vantagem destes materiais renováveis magnéticos é o facto de serem facilmente separados magneticamente de águas, evitando passos adicionais de recuperação (ex. filtração, sedimentação) como acontece com os adsorventes tradicionais”, concretiza. Para além disso, os resíduos, depois de cumprirem a sua função de adsorver os poluentes, podem ser novamente reutilizados.

Estes materiais podem ser utilizados em Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) e pretende-se, na próxima fase do projeto, aplicá-los na própria ETAR da empresa corticeira J.A. Veiga de Macedo, que colabora com o projeto.

LER MAIS

MAIS LIDAS