JORGE SIMÃO APOSTA NUM BOAVISTA “REFINADO” FRENTE AO CHAVES

Técnico abordou o facto de os ‘axadrezados’, como outras equipas, terem estado três semanas sem competir oficialmente.

Jorge Simão, que anteviu hoje esse jogo com os flavienses, agendado para sexta-feira às 20:30, abordou o facto de os ‘axadrezados’, como outras equipas, terem estado três semanas sem competir oficialmente.

“Se pudesse não ter parado, independentemente do que vier a acontecer amanhã [sexta-feira], escolheria não ter parado. Adaptámo-nos o melhor que conseguimos”, afirmou.

Ao contrário, o Desportivo de Chaves competiu para a Taça da Liga com o FC Porto, no Estádio do Dragão, e empatou 1-1, depois de no mesmo ‘palco’ ter sido goleado para o campeonato (5-0).

O Boavista realizou três partidas particulares, tendo vencido duas, com o Académico de Viseu (3-0) e o Leixões (4-1), e empatado outra, com a equipa B (1-1).

“O facto de não termos competido oficialmente não quer dizer que não tenhamos competido. Tivemos competições não oficiais. Não gosto de parar porque retira a carga emocional que é a luta pelos pontos. O Chaves teve a possibilidade de a ter, mas numa outra competição que não o campeonato”, constatou Jorge Simão.

O técnico ‘axadrezado’ seguiu pela televisão esse segundo jogo do Chaves com o FC Porto e disse ter visto a equipa flaviense “fazer coisas diferentes do que tinha vindo a fazer, porventura porque já tinha estado a jogar naquele estádio há pouco tempo e as coisas não tinham corrido bem”.

Pouco dado a partilhar opiniões sobre as características dos adversários do Boavista, Jorge Simão olha para o Desportivo de Chaves como uma equipa “muito competitiva, combativa e compacta e que criou dificuldades ao FC Porto, manifestadas no resultado”.

O técnico espera ver “um Boavista mais refinado” do que nas partidas anteriores e, a propósito, voltou ao encontro com o Santa Clara, o último que a equipa realizou antes da paragem do campeonato, para considerar que, mau grado a derrota, esse “jogo teve coisas muito boas que não tiveram expressão lógica no resultado

“Conseguimos fazer dois golos fora, o que não é muito comum no campeonato português, mas sofremos quatro”, analisou.

O técnico referiu também que o Boavista soma quatro pontos em quatro jogos, três destes fora e o outro, em casa, com o Benfica, salientando que “não há nenhuma equipa em igualdade de circunstâncias no campeonato”.

O Desportivo de Chaves leva três pontos, mas Jorge Simão entende que “ter três ou ter quatro pontos neste momento, à quarta jornada, é completamente irrelevante”.

“São duas equipas de um nível muito semelhante. Temos a grande vantagem de jogar em nossa casa e de desfrutar do apoio dos nossos adeptos”, justificou.

Os ‘axadrezados’ continuam sem poder contar com o médio Gabriel Nunes e com o atacante Yusupha Njie, ambos lesionados.

O Boavista, 12.º classificado, com quatro pontos, e o Desportivo de Chaves, 14.º, com três, defrontam-se na sexta-feira, às 20:30, no Estádio do Bessa, no Porto, na quinta jornada da I Liga.

LUSA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.