NACIONAL

JUSTIÇA: ESTADO RECLAMA LUCROS DA PROSTITUIÇÃO

O Ministério Público quer que sejam declarados perdidos a favor do Estado os lucros auferidos por um grupo que explorava um bar de alterne e prostituição na zona da Figueira da Foz. Em causa estão mais de 560 mil euros num processo em que oito arguidos são acusados de lenocínio e auxílio à imigração.

Durante três anos, lucraram com a exploração de um café convertido em bar de alterne, por onde passaram dezenas de mulheres que se prostituíam nos dez quartos situados por cima do estabelecimento, na Figueira da Foz.

O local foi fechado pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), em 2015, e o Ministério Público (MP) acusou agora oito arguidos que quer ver julgados, incluindo os três gerentes, aos quais o Estado reclama 328 mil euros, os lucros estimados do negócio da prostituição.

CM | JN

VEJA AINDA:

PORTO: RESIDÊNCIA SÉNIOR MONTEPIO COM 34 UTENTES E 11 FUNCIONÁRIOS INFETADOS COM COVID-19

Lusa

MADEIRA: POLÍCIA JUDICIÁRIA FAZ MAIOR APREENSÃO DE HEROÍNA

Lusa

ÉVORA: PESCADORES PROTESTAM CONTRA A PROIBIÇÃO DA PESCA DO LAGOSTIM

Lusa

COIMBRA: O TRADICIONAL CORTEJO DA QUEIMA DAS FITAS FOI CANCELADO

Lusa

LEIRIA: CHOQUE DE COMBOIO COM AUTOMÓVEL PROVOCA UM MORTO

Lusa

SOURE: DESCARRILAMENTO DE ALFA PENDULAR FAZ DOIS MORTOS E SETE FERIDOS

Lusa