REGIÕES

MADEIRA: GOVERNO REGIONAL ESCLARECE O REINO UNIDO PARA EVITAR LIMITAÇÕES ÀS VIAGENS

A Madeira reforçou a informação junto do governo inglês para demonstrar que a situação da Covid-19 na região é diferente da nacional e evitar uma eventual exclusão do corredor de viagens seguro, foi esta segunda-feira anunciado.

“Perante as notícias que têm vindo a público, que a evolução epidemiológica verificada em Portugal continental poderá pôr em risco o entendimento do Governo inglês relativamente a este destino turístico para os cidadãos ingleses, a Madeira diligenciou de imediato um reforço da comunicação” junto de vários intervenientes, declarou o secretário regional do Turismo do arquipélago.

Eduardo Jesus enunciou que o Governo Regional da Madeira enviou esta segunda-feira cartas para os Governos da República e do Reino Unido, e igualmente para o embaixador britânico em Portugal e para o de Portugal em Inglaterra, sobre este assunto.

O governante insular sublinhou que o objetivo é “a clarificação da situação epidemiológica na Região Autónoma da Madeira” junto do governo britânico, “para que as decisões que possa tomar já esta semana tenham em consideração a situação regional”.

É da mais elementar justiça que se faça esta distinção, aliás, recomendada pela Comissão Europeia já no mês de maio, para que os países tenham o cuidado de informar internacionalmente qual a situação que caracteriza cada uma das suas regiões” argumentou.

O responsável do executivo madeirense vincou que a Madeira “tem sido fortemente penalizada pelo facto de o Governo português não ter sido ainda capaz de distinguir a realidade da Madeira face à de Portugal continental”.

“Ficámos reféns da situação nacional durante um largo período de tempo e só vimos os corredores abertos e sem restrições às viagens quando também assim foi entendido para Portugal continental”, destacou.

Eduardo Jesus realçou que esta postura “prejudicou gravemente” a Madeira e “significa uma profunda injustiça” que o Governo Regional quer “evitar que se repita e perdure no tempo”.

Por isso mesmo, estamos novamente numa fortíssima vaga de comunicação junto de todos estes intervenientes a informar qual a situação da Madeira, a revelar, a mostrar e a evidenciar que esta situação é muito diferente daquela que se verifica a nível nacional e que a operação com o mercado inglês não apresenta riscos acrescidos para os cidadãos ingleses”, enfatizou.

O secretário regional salientou que a operação entre a Madeira e o Reino Unido acontece com recurso a voos diretos, que ligam os aeroportos do Reino Unido e o internacional a Madeira — Cristiano Ronaldo, sem passagem por outras paragens e sem mudança de aeronaves durante a viagem, o que diminui o “risco de contágio”.

“É uma operação que está bastante bem controlada do ponto de vista da segurança sanitária e do contágio do vírus relativamente às pessoas que viajam”, complementou o governante do arquipélago.

Reforçando que os indicadores que servem para avaliar a situação são “científicos” e utilizados para analisar os outros destinos turísticos, Eduardo Jesus concluiu que “a Madeira não pode é ficar refém de uma evolução que é menos favorável do todo nacional e, novamente, entrar numa fase de grande prejuízo para toda a atividade económica e toda a população da região”.

A 20 de agosto, o governo britânico incluiu Portugal na lista dos países com “corredores de viagem” para Inglaterra, cujos passageiros ficam isentos de cumprir uma quarentena de duas semanas imposta devido à pandemia Covid-19.

Mas, uma semana mais tarde, em declarações à Lusa, o coordenador do gabinete de crise Covid-19 da Ordem dos Médicos (OM), o pneumologista Filipe Froes, alertou para a possibilidade do retrocesso da situação. O responsável falava da degradação da situação epidemiológica no país, a 28 de agosto, num dia em que Portugal registou mais seis mortes e 401 novos casos confirmados de infeção.

Os últimos dados anunciados pela autoridade regional de saúde informam que a Madeira não registou novos casos de infeção nos últimos dois dias, mantendo o total cumulativo de 158 casos, já com 118 recuperados e 40 ativos.

VEJA AINDA:

ARCOS DE VALDEVEZ: RELÂMPAGO MATA 68 CABRAS (VIANA DO CASTELO)

Lusa

EM INÍCIO DE ABRIL O COVID-19 JÁ TINHA MATADO QUASE TRÊS MILHÕES DE PESSOAS

Lusa

FPF APOIA FINANCEIRAMENTE ASSOCIAÇÕES E CLUBES COM 1,4 MILHÕES DE EUROS

Lusa

COVID-19: ALEMANHA VAI NEGOCIAR BILATERALMENTE EVENTUAL COMPRA DE VACINA RUSSA

Lusa

MURÇA: CENTRO INTERPRETATIVO HOMENAGEIA E PROMOVE O ‘SOLDADO MILHÕES’

Lusa

RIBEIRA DE PENA: AUTARQUIA CRITICA CÁLCULO QUE PÕE CONCELHO NO VERMELHO COM ‘APENAS’ 8 CASOS

Lusa