Ligue-se a nós

REGIÕES

MAIA: AUTARQUIA VAI TAXAR OS MUNÍCIPES QUE PRODUZEM MAIS LIXO

A câmara da Maia quer alargar a todo o concelho, até 2024, a cobrança da gestão de resíduos urbanos em função do lixo produzido por cada consumidor através dum sistema “mais justo” e que permite poupar na fatura.

Online há

em

A câmara da Maia quer alargar a todo o concelho, até 2024, a cobrança da gestão de resíduos urbanos em função do lixo produzido por cada consumidor através dum sistema “mais justo” e que permite poupar na fatura.

O projeto “Recicle Mais, Pague Menos”, que arrancou em 2021 e que foi hoje apresentada a primeira fase, segundo adiantou à Lusa uma das responsáveis, Helena Lopes, mostrou “alterações de comportamento” nos consumidores abrangidos, assim como poupanças na fatura da gestão de resíduos.

Ao abrigo daquele projeto, a tarifa do serviço de gestão de resíduos urbanos é indexada à quantidade de lixo produzido por cada consumidor, substituindo o atual modelo de cobrança daquele serviço com base numa tarifa variável indexada ao consumo de água.

“Em maio, quando começamos o projeto, cerca de 50% dos clientes apresentavam os contentores de lixo indiferenciado à recolha cerca de quatro vezes por mês. Agora só registamos cerca de 25% de clientes com quatro ou três recolhas e depois temos no patamar das duas ou uma recolhas mensais muito mais do que tínhamos. As pessoas começaram a alterar comportamentos, a separar mais os resíduos e a deixar no do lixo indiferenciado só aquilo que não conseguem valorizar”, explicou.

Helena Lopes apontou também diferenças na fatura a pagar: “Cerca de 45% dos consumidores abrangidos estava no intervalo de faturação de 15 euros mensais, a maioria baixou significativamente para o patamar dos seis a dez euros”, disse.

Publicidade

A primeira fase abrangeu cerca de 11.300 clientes (22% da população daquele concelho no distrito do Porto), sendo o objetivo alagar a todo o território até 2024.

“Até ao final de 2022 vamos abranger o total de consumidores em habitações unifamiliares, cerca de 22 mil clientes, e que têm contentores de utilização exclusiva, depois em 2023 vamos avançar com os edifícios multifamiliares (38.500) e em 2024 com a totalidade de clientes que utiliza os equipamentos de via pública (7.600)”, explicou.

Para a responsável, esta forma de faturação tem duas vantagens: “Aplica-se uma tarifa mais justa e que é efetivamente é consequência do comportamento das pessoas face aos resíduos que produzem e é possível baixar o preço a pagar por cada consumidor”, enumerou.

O sistema consiste numa recolha seletiva porta a porta de contentores com identificação eletrónica e na implementação de um sistema integrado de gestão, incluindo registo, recolha e comunicação de dados, sendo depois processado, faturado e cobrado via serviços municipalizados da autarquia.

Na apresentação, o presidente da Câmara Municipal da Mais, António Silva Tiago, salientou igualmente que esta forma de cobrança é “mais justa e equitativa” ao refletir a “efetiva produção” dos resíduos de cada família.

Publicidade

“Estes sistemas tarifários em vigor [indexados ao consumo de água] vão contra os princípios da justiça e da equidade no pagamento dos serviços prestados ao cidadão e não premeiam o cidadão que diariamente separa os seus resíduos e os encaminha para reciclagem”, disse.

Publicidade
DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

REGIÕES

VILA REAL: IDOSA MORRE EM INCÊNDIO NUMA HABITAÇÃO EM VILARINHO

Uma idosa morreu hoje na sequência de um incêndio que deflagrou numa habitação em Vilarinho, no concelho de Vila Real, disse o comandante dos bombeiros da Cruz Branca.

Online há

em

Uma idosa morreu hoje na sequência de um incêndio que deflagrou numa habitação em Vilarinho, no concelho de Vila Real, disse o comandante dos bombeiros da Cruz Branca.

Orlando Matos afirmou à agência Lusa que a irmã da vítima ficou em estado de choque, foi considerada ferida ligeira e transportada para observação ao Hospital de Vila Real.

O comandante referiu que a vítima mortal tem uma idade compreendida entre os 70 e os 80 anos e que o óbito foi declarado no local pela equipa da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER), do INEM.

O alerta para o incêndio foi dado pela irmã da idosa pelas 01:30 e, segundo Orlando Matos, quando os meios chegaram ao local a habitação estava tomada pelas chamas.

O fogo, acrescentou, terá tido início no quarto da vítima, onde esta foi encontrada pelos bombeiros, e as causas que estiveram na sua origem vão ser investigadas pela Polícia Judiciária (PJ), que esteve no local durante a madrugada.

Publicidade

Para o combate ao incêndio foram mobilizados 16 bombeiros da Cruz Branca, com cinco viaturas, e ainda militares da GNR.

A aldeia de Vilarinho pertence à União de Freguesias de Pena, Quintã e Vila Cova, no concelho de Vila Real.

LER MAIS

REGIÕES

MIRANDELA: ACIDENTE DE TRABALHO MATA HOMEM “SOTERRADO” EM BETÃO

Um homem de 49 anos morreu soterrado esta tarde num acidente de trabalho numa empresa de pré-fabricados de betão, em Vila Nova das Patas, concelho de Mirandela, disse à Lusa fonte dos bombeiros locais.

Online há

em

Um homem de 49 anos morreu soterrado esta tarde num acidente de trabalho numa empresa de pré-fabricados de betão, em Vila Nova das Patas, concelho de Mirandela, disse à Lusa fonte dos bombeiros locais.

“Foi um acidente de trabalho às 15:12. Era um trabalhador da fábrica Pavimir. Supostamente terá caído numa máquina de receção de betão, tendo ficado submerso. Aliás, o alerta foi para um soterrado, o trabalhador ficou submerso com o betão”, indicou o comandante dos Bombeiros Voluntários de Mirandela, Luís Soares.

O comandante adiantou ainda que foram os colegas a encontrar o homem, que estranharam a ausência prolongada da vítima. À chegada do socorro, o trabalhador foi retirado da máquina pelos bombeiros, já em paragem cardiorrespiratória.

O óbito foi declarado ainda na empresa pela equipa médica do helicóptero do INEM de Macedo de Cavaleiros, chamada também para a ocorrência.

Luís Soares explicou ainda que se trata de uma estrutura recetora de betão, com alguma dimensão.

Publicidade

Foi ativado apoio psicológico para colegas e familiares.

A Guarda Nacional Republicana esteve local, tendo comunicado os factos ao tribunal e à Autoridade para as Condições de Trabalho.

LER MAIS

MAIS LIDAS