RÁDIO REGIONAL
CIÊNCIA & TECNOLOGIA

MICROSOFT LANÇA NOVAS FERRAMENTAS PARA EVITAR CRIAÇÃO DE ‘DEEPFAKES’

nbsp| RÁDIO REGIONAL

A Microsoft lançou novas ferramentas para detetar e evitar a criação de ‘deepfakes’, as montagens de vídeo ou fotos que manipulam a verdade, fenómeno que está a gerar particular preocupação com a aproximação das eleições presidenciais nos Estados Unidos.

As montagens consistem, por exemplo, em ‘colar’ a cabeça de uma pessoa no corpo de outra em vídeos ou fotografias, ou fazer uma pessoa dizer coisas que na verdade não disse.

Este tipo de criações podem transformar o significado de um momento, ou até criá-lo a partir do zero, de forma a difundir informações falsas ou prejudicar a reputação de figuras públicas.

Segundo noticia a agência AFP, a gigante tecnológica anunciou na segunda-feira que desenvolveu um ‘autenticador de vídeo’, que analisa fotografias e vídeos para determinar se estes foram manipulados com tecnologias de inteligência artificial (IA).

A ferramenta da Microsoft atribuiu uma ‘pontuação de confiança’ ao conteúdo analisado.

“No caso de um vídeo, a ferramenta fornece uma percentagem em tempo real durante a reprodução, ‘frame’ a ‘frame’”, destaca o comunicado.

O programa deteta o tratamento incorreto do conteúdo, identificando os limites mal desfocados, manchas inconsistentes ou cores invisíveis a ‘olho nu’.

Gigantes das tecnologias, das redes sociais e especialistas em IA estão a redobrar esforços meses antes das eleições presidenciais dos Estados Unidos, de forma a conter as campanhas influenciadoras criadas no exterior, mas também dentro do país, que procuram semear divisão e manipular os eleitores.

Em 2016, as presidenciais norte-americanas e o referendo sobre o Brexit no Reino Unido foram marcados por grandes e poderosas operações daquele género, organizadas a partir da Rússia.

De acordo com um estudo realizado na Universidade de Princeton e financiado pela Microsoft, uma centena de campanhas visaram trinta países entre 2013 e 2019, sendo que 93% destas envolveram a criação de conteúdos criados do zero e 74% distorceram factos.

“Os métodos de produção de ‘fake news’ vão tornar-se cada vez mais sofisticados”, realça a empresa Redmond [perto de Seattle].

Esta empresa desenvolveu uma ferramenta integrada na sua plataforma ‘cloud’ [computação em nuvem] Azure, que adiciona metadados para certificar o conteúdo, e um leitor que pode ser adicionado num navegador de Internet e que confirma a autenticidade do conteúdo a partir desses metadados.

VEJA AINDA:

COMISSÃO EUROPEIA QUER FORMAR UM MILHÃO DE JOVENS EM ALTA TECNOLOGIA

Lusa

UTAD CRIA UM SISTEMA ‘VIGILANTE FLORESTAL’ PARA DETEÇÃO DE INCÊNDIOS

Lusa

UNIÃO EUROPEIA ANUNCIA CÓDIGO DE CONDUTA CONTRA AS FAKE-NEWS

Lusa

DIABETES: NOVA TECNOLOGIA FACILITA ADMINISTRAÇÃO DE INSULINA

Lusa

TELEGRAM: GOVERNO DIZ QUE ‘NÃO ESTAMOS CONDENADOS À PIRATARIA’

Lusa

CIBERATAQUES: É IMPORTANTE PERCEBER QUE ‘VAMOS TODOS SER ATACADOS’

Lusa