Ligue-se a nós

REGIÕES

MOGADOURO E MACEDO DE CAVALEIROS RECLAMAM PONTE SOBRE O SABOR

Os presidentes de Macedo de Cavaleiros e Mogadouro atravessaram o rio Sabor numa pequena e enferrujada barca para dizerem às populações que estão juntos na ambição de uma ponte que una os dois concelhos do Nordeste Transmontano.

Online há

em

Os presidentes de Macedo de Cavaleiros e Mogadouro atravessaram o rio Sabor numa pequena e enferrujada barca para dizerem às populações que estão juntos na ambição de uma ponte que una os dois concelhos do Nordeste Transmontano.

Remar contra a corrente do rio tem sido a sina das gentes de Talhas, em Macedo de Cavaleiros, e Sampaio, em Mogadouro, que têm agora a promessa de que, no próximo ano, poderá começar a ser construída a ponte que encurtaria para menos de metade a distância entre os dois concelhos, mas também do resto da região, incluindo a ligação à capital de distrito, Bragança.

A atual estrada nacional 216, que liga os dois concelhos, é uma das mais sinuosas da região e os mais de 40 quilómetros que obriga a percorrer poderiam ser reduzidos para “15 ou 18” com a construção da ponte sobre o rio, que levou os presidentes ao local.

A Francisco Guimarães, de Mogadouro, e Benjamim Rodrigues, de Macedo de Cavaleiros, restaria ficar a acenar e a fazer votos em voz alta, um em cada margem, não fosse a velha barca enferrujada do casal Ana Rodrigues e António Silvino.

O casal chegou carregado de compras do lado de Mogadouro, onde, como habitualmente deixou a carrinha, para atravessar na barca a remo, e subir de trator, que fica a guardar do lado de Macedo, até à Quinta da Barca, local onde passam a maior parte do tempo, apesar de terem residência em Sampaio.

Com a ajuda de António, os dois presidentes da Câmara fizeram a travessia na velha barca para realçarem juntos “este anseio que as populações de Talhas e Sampaio têm há muitas dezenas de anos” e que esta “é uma altura oportuna” para tentar “ligar e encurtar um bocadinho a distância”.

Os dois autarcas socialistas prometem trabalhar em sintonia para ir buscar cerca de 240 mil euros ao fundo disponibilizado pela barragem do Baixo Sabor e começar a construir “no próximo ano” a ponte.

Depois há a questão dos acessos do rio até Talhas e até Sampaio, atualmente feitos em terra batida e que, numa primeira fase, as autarquias prometem melhorar, mas não será suficiente.

Como diz Francisco Guimarães vão precisar “também da vontade política do Governo e de departamentos governamentais, nomeadamente ligados ao ambiente numa zona protegida como Rede Natura 2000″.

“Somos municípios pequenos, estamos numa região de baixa densidade [populacional], por isso é necessária efetivamente a boa vontade política depois do governo”, vincou.

O autarca de Macedo de Cavaleiros fala de “dois concelhos com muita dinâmica” que com a ajuda da ponte poderiam “potenciar” fluxos económicos.

Deu como exemplo as cooperativas de amêndoa que estão do outro lado do rio, em Mogadouro, Torre de Moncorvo, e que com o novo trajeto conseguiriam encurtar as distâncias do transporte de cargas pesadas desses produtos.

As principais vias da região, que ligam a Espanha e ao Litoral, como a A4 e o IC5, ficariam mais próximas e até o acesso à capital de distrito, atualmente feito por Vimioso, poderia ser encurtado, seguindo por Izeda.

Na época da pesca, “é um mundo de gente”, nesta zona, como observou à Lusa o presidente da freguesia de Talhas, Inácio Romão, também habituado às peripécias para vencer o rio numa zona em que “as pessoas têm terras de um lado e do outro”.

“Antigamente tinham uma barca maior que passava sete ou oito pessoas e ainda levava animais, o pão e o que calhava”, recordou.

Quando o caudal amansa, é possível passar a pé em algumas zonas, mas sobretudo com veículos todo o terreno. Talvez por isso carrinhas, mas principalmente tratores é o que não falta na falta na terra. “São para cima de 160”, garantiu.

O casal António e Ana, ele com 64 anos e ela com 57, são donos da única e agora velha barca para a travessia e passam a maior parte do tempo do lado de Talhas, na Quinta da Barca, nas lides agrícolas e do gado, apesar de terem residência em Sampaio.

Criaram assim três filhos e, desde há mais de 30 anos, que fazem o negócio transportando de uma margem para a outra a azeitona e os cabritos para venda.

Apesar de todas as peripécias não há memória de acidentes nesta travessia e “uma senhora do lado de lá pôs ali uma cruz porque nunca morreu ali ninguém, diz que aquilo é sagrado”, como contou Ana.

Maria Augusta, habitante de Talhas, “muitas vezes atravessou o rio” numa época em que “a gente passava a cavalo numa burrinha, num macho, qualquer coisa que fosse”.

A ponte é fundamental, como defendeu, pois Talhas é uma localidade sem saída, o que não permite criar expectativas em relação a negócios como o pão caseiro que coze e que até podia vender, mas torna-se mais difícil por a localidade não ser ponto de passagem.

Ver para crer é o lema de Maria Augusta que resume: “há muita gente que diz que isso é só para entrar para o poder, para a política e depois esqueceu-se tudo, agora vamos ver, a gente gostaria muito”.

LUSA

REGIÕES

PENAFIEL: MÉDICO ORTOPEDISTA DO HOSPITAL ACUSADO DE VIOLAÇÃO E COAÇÃO SEXUAL

O Ministério Público acusou um médico ortopedista de, entre 2022 e 2023, ter violado duas mulheres durante consultas no Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, em Penafiel, no distrito do Porto, adianta hoje a Procuradoria-Geral Regional do Porto.

Online há

em

O Ministério Público acusou um médico ortopedista de, entre 2022 e 2023, ter violado duas mulheres durante consultas no Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, em Penafiel, no distrito do Porto, adianta hoje a Procuradoria-Geral Regional do Porto.

Na sua página de Internet, a procuradoria refere que o suspeito está indiciado de dois crimes de violação e de um crime de coação sexual.

Na acusação, deduzida a 09 de maio, o Ministério Público considerou “suficientemente indiciado” que o médico, em três ocasiões diferentes, nomeadamente a 12 de abril de 2022, 29 de agosto de 2022 e 03 de maio de 2023, “constrangeu” duas mulheres a “contactos de natureza sexual”.

Esses “contactos de natureza sexual” aconteceram em contexto de consulta médica, sublinha.

“No contexto da sua atividade de médico ortopedista e a pretexto de estar a efetuar tratamentos necessários às vítimas decidiu tirar proveito dessa situação para as constranger a contactos de natureza sexual o que fez contra a vontade das vítimas”, descreve a procuradoria.

O médico encontra-se suspenso do exercício de funções em qualquer instituição e serviço público ou privado, frisa.

LER MAIS

REGIÕES

PORTO: 31 CONDENADOS A PENAS DE 6 MESES A 13 ANOS DE PRISÃO

O Tribunal de S. João Novo, no Porto, condenou hoje a penas entre os seis meses e os 13 anos de prisão 31 arguidos acusados dos crimes de furto qualificado e receção cometidos entre 2019 e 2022.

Online há

em

O Tribunal de S. João Novo, no Porto, condenou hoje a penas entre os seis meses e os 13 anos de prisão 31 arguidos acusados dos crimes de furto qualificado e receção cometidos entre 2019 e 2022.

Na leitura do acórdão, que decorreu esta tarde, a juíza presidente do coletivo que julgou aqueles 31 arguidos, “todos com relações familiares ou de amizade entre si”, deixou palavras de aviso aos arguidos mais jovens e de censura aos pais destes por “arrastarem miúdos” para uma vida de crime.

“O Tribunal esforçou-se por privilegiar a sociabilização em liberdade pelos arguidos mais jovens e lamenta que os mais velhos tenham arrastados miúdos para isto. É importante que os mais novos, pessoas com 20 e poucos anos, percebam que mais cedo ou mais tarde correm o risco de serem privados da liberdade”, avisou a magistrada.

E continuou: “Ainda estão a tempo, mas há um momento em que não vai ser possível fugir à privação da liberdade”.

Os 31 arguidos estavam acusados de “dezenas” de crimes de furto, furto qualificado, furto qualificado na forma tentada e de receção de material roubado.

O arguido a quem foi aplicada a pena mais pesada foi condenado a uma pena única de 13 anos de prisão efetiva, seguindo-se um arguido com uma pena única de 10 anos, quatro com penas únicas de oito anos e outros quatro com penas de sete anos de prisão efetiva.

Os restantes arguidos foram condenados com penas entre os seis meses de prisão e os seis anos de prisão efetiva, sendo que à maior parte dos arguidos o coletivo entendeu aplicar a suspensão da execução da pena.

Segundo a acusação, os arguidos terão arrombado diversos estabelecimentos comerciais e armazéns, em vários concelhos do Norte do país, e “em comunhão de esforços e repartição de tarefas”, furtado material diverso, desde roupa, sapatilhas, mobiliário, somas monetárias e artigos em alumínio.

O Ministério Publico sustentou que só num dos episódios de furto, desta feita a um armazém em Guimarães, no distrito de Braga, alguns dos arguidos “apropriaram-se, contra a vontade do seu legítimo dono, de diversas caixas contendo colchas, cobertores, lençóis e outros artigos de têxtil lar, novos e devidamente embalados, de valor total de 54.900 euros”.

A juíza salientou existirem “bastantes elementos de prova” contra os arguidos, conseguidas em “várias operações de buscas a domicílios e veículos, operações de vigilância e escutas”.

Naquelas buscas, refere a acusação, foram apreendidas centenas de peças de vestuário e calçado, cheques, dinheiro, automóveis, cartões de telemóvel, material eletrónico e informático, entre outros bens.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS