Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

OLIGARCAS AMIGOS DE PUTIN PROTEGEM-SE DE SANÇÕES INTERNACIONAIS

Os oligarcas russos Boris e Arkady Rotenberg, amigos de infância do Presidente Vladimir Putin e sob sanções económicas internacionais desde 2014, conseguiram proteger a riqueza com ajuda de um primo da rainha Isabel II, foi hoje revelado.

Online há

em

Os oligarcas russos Boris e Arkady Rotenberg, amigos de infância do Presidente Vladimir Putin e sob sanções económicas internacionais desde 2014, conseguiram proteger a riqueza com ajuda de um primo da rainha Isabel II, foi hoje revelado.

A informação consta nos chamados “Documentos dos Rotenberg”, uma investigação do consórcio de jornalistas OCCRTP, com base numa fuga de informação de mais de 50.000 documentos e de e-mails entre 2013 e 2020, obtidos pelo órgão de comunicação social independente russo IStories e partilhados por 15 outros jornais, televisões, rádios e agências noticiosas também independentes.

Os dois irmãos, que cresceram em Leninegrado, conheceram Putin quando frequentavam juntos aulas de artes marciais e a relação entre os três perdurou à medida que crescia o poder do antigo agente do KGB (antigo nome dos serviços secretos russos) e que este assumia o cargo de chefe de Estado.

Segundo o consórcio, as fortunas dos dois irmãos também cresceram com contratos lucrativos que, embora sancionados pela anexação da península ucraniana da Crimeia pela Rússia, em 2014, lhes valeram uma riqueza conjunta de cerca de 4.900 milhões de dólares (4.450 milhões de euros), segundo a revista Forbes.

A riqueza de Boris e Arkady Rotenberg, segundo a investigação, foi protegida por um empresário e por um antigo diplomata russos com vínculos ao príncipe Michael de Kent, primo da rainha Isabel II, a soberana britânica que morreu a 22 de setembro de 2022, aos 96 anos.

Essa riqueza tinha de ser protegida e, no meio das sanções e de vastos ativos estrangeiros em risco, os irmãos procuraram afastar as fortunas dos reguladores ocidentais. Os documentos divulgados revelam que uma figura foi fundamental para ajudar os irmãos Rotenberg a proteger a sua fortuna.

Trata-se do empresário moscovita Maxim Viktorov, 50 anos, cuja empresa e escritório de advogados russos desempenharam um papel fundamental no plano para salvar os investimentos dos dois irmãos, como as ações no estádio Helsinki Halli.

A família Rotenberg utilizou várias técnicas para movimentar a sua fortuna “como peças de xadrez” em todo o mundo, abrindo contas bancárias à medida que outras eram encerradas e estruturas de propriedade que se transformavam em resposta a novas sanções ou a questões colocadas pelos reguladores, refere a investigação.

Viktorov recorreu a prestadores de serviços empresariais de confiança para transferir as empresas dos Rotenberg para “jurisdições menos exigentes”, desde as ilhas Virgens até Chipre.

Na Rússia, a sua empresa Evocorp Management geria alguns dos bens dos irmãos, depois de estes terem sido colocados sob o controlo de fundos de investimento ultrassecretos que Viktorov apresentava como seus, segundo a investigação.

No estrangeiro, a empresa ILS Legal Services, registada no Panamá, é indicada como tendo trabalhado com Viktorov.

A fuga de informação revela também como um conjunto de terceiras pessoas, incluindo um homem que se diz ser o antigo guarda-costas de Boris Rotenberg e uma esteticista de 36 anos, “que parece ser a parceira romântica secreta de Arkadi Rotenberg, assumiram a propriedade de alguns dos ativos valiosos dos irmãos”.

Viktorov afirmou que nem ele nem nenhuma das suas empresas violaram quaisquer leis e descreveu a investigação como imperfeita.

Viktorov trabalhou para o KGB na década de 1990. Posteriormente, começou a prestar serviços jurídicos a empresários e funcionários públicos. Em 2012, tornou-se conselheiro do ministro da Defesa. Nessa altura, já conhecia o círculo de Putin. No trabalho para os Rotenberg, Viktorov recorreu frequentemente aos seus contactos no estrangeiro.

Em 2018, o Fundo de Programas de Investimento de Viktorov tornou-se acionista da empresa britânica de tecnologia RemitRadar, onde o empresário Sergey Markov, um antigo diplomata soviético, e o príncipe Michael de Kent, sobrinho-neto do imperador russo Nicolau II, que atuou como “embaixador” da empresa, também tinham participações, de acordo com a investigação.

Segundo o consórcio, o príncipe britânico “distanciou-se dos seus laços com o regime de Putin após a invasão da Ucrânia”, mas continua ligado à RemitRadar.

INTERNACIONAL

PAPA FRANCISCO PEDE QUE SE REZE PELA PAZ NO MUNDO

O Papa Francisco pediu hoje que se continue a rezar pela paz na República Democrática do Congo, na Ucrânia, na Terra Santa, no Sudão, em Mianmar e em todos os lugares onde a guerra está a causar sofrimento.

Online há

em

O Papa Francisco pediu hoje que se continue a rezar pela paz na República Democrática do Congo, na Ucrânia, na Terra Santa, no Sudão, em Mianmar e em todos os lugares onde a guerra está a causar sofrimento.

Na oração dominical do Angelus na praça de São Pedro, no Vaticano, o Papa Francisco falou das “tristes notícias de confrontos e massacres” que tem recebido e apelou à paz no mundo.

“Tenho recebido tristes notícias na parte oriental da República Democrática do Congo. Apelo às autoridades nacionais e às comunidades internacionais para que façam todo o possível para acabar com a violência e salvaguardar as vidas dos civis”, disse.

Debruçado na janela do palácio papal, Francisco disse que entre as vítimas “muitas são cristãs e morreram como mártires”.

“O seu sacrifício é uma semente que germina e nos ensina a dar testemunho do Evangelho com coragem e coerência”, referiu.

Mais tarde, pediu também para se continuar a rezar pela paz na “martirizada” Ucrânia, na Terra Santa, no Sudão, em Mianmar e “em todos os lugares onde as pessoas sofrem com a guerra”.

LER MAIS

INTERNACIONAL

ZELENSKY AGRADECE ATRIBUIÇÃO DE 50 MIL MILHÕES DE DÓLARES PELO G7

A cimeira do grupo dos sete países mais ricos do mundo (G7) deu um apoio claro à Ucrânia com um pacote de 50 mil milhões de dólares, anunciou na rede social X o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Online há

em

A cimeira do grupo dos sete países mais ricos do mundo (G7) deu um apoio claro à Ucrânia com um pacote de 50 mil milhões de dólares, anunciou na rede social X o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

“Cimeira do G7. Apoio inequívoco à Ucrânia, ao direito internacional e a uma paz justa”, afirmou o líder ucraniano, publicando uma foto com os líderes mundiais durante o encontro, que decorre em Itália.

“Todos os dias reforçamos as nossas posições e a nossa defesa da vida”, afirmou.

O pacote de apoio de 46,3 mil milhões de euros será financiado pelos juros sobre os ativos russos congelados.

“Cada reunião serve o objetivo de dar à Ucrânia novas oportunidades de vitória. Estou grato a todos os nossos parceiros”, acrescentou ainda Zelensky.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS