ECONOMIA & FINANÇAS

OS 45 CONCELHOS ONDE PREÇOS DAS CASAS ESTÃO ACIMA DA MÉDIA NACIONAL

O preço mediano de venda de habitação em Portugal aumentou para 1.031 euros por metro quadrado (Euro/m2) no segundo trimestre deste ano, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE), indicando que 45 municípios apresentaram valores superiores à média.

“Lisboa (3.154 Euro/m2) registou o preço mediano mais elevado do país”, apurou o INE, destacando, com valores superiores a 1.500 Euro/m2, os municípios de Cascais, Oeiras, Loulé, Lagos, Albufeira, Tavira, Porto, Odivelas, Lagoa, Funchal, Faro, Loures e Vila Real de Santo António.

No segundo trimestre deste ano, o preço mediano de alojamentos familiares em Portugal foi 1.031 Euro/m2, registando “um aumento de +2,0% relativamente ao trimestre anterior e +6,4% relativamente ao trimestre homólogo”.

“O preço mediano da habitação manteve-se acima do valor nacional nas regiões do Algarve (1.606 Euro/m2), Área Metropolitana de Lisboa (1.383 Euro/m2), Região Autónoma da Madeira (1.205 Euro/m2) e, pela primeira vez desde o primeiro trimestre de 2016, a Área Metropolitana do Porto (1.034 Euro/m2)”, de acordo com os dados do INE.

As estatísticas de preços da habitação ao nível local, relativas ao segundo trimestre deste ano, revelam que, dos 308 municípios portugueses, 45 apresentaram um preço mediano de venda de habitação superior ao valor nacional.

Estes concelhos localizam maioritariamente no Algarve e na Área Metropolitana de Lisboa – “as duas sub-regiões com preços mais elevados do país”.

Ao nível do município de Lisboa, três freguesias lisboetas registaram preços superiores a 4.500 Euro/m2, designadamente Santo António, Misericórdia e Santa Maria Maior.

“No Porto, a freguesia do Bonfim registou, simultaneamente, o preço mediano dos alojamentos vendidos e a taxa de variação homóloga acima do registado na cidade”, avançou o INE.

VEJA AINDA:

PORTO: RUI MOREIRA ‘SUGERE’ QUE A TAP SEJA INCORPORADA NA CARRIS

Lusa

AVEIRO: 13 ANOS DE PRISÃO PARA HOMEM QUE MATOU A MÃE

Lusa

AÇORES: SITUAÇÃO DE CALAMIDADE PROLONGADA ATÉ 23 DE OUTUBRO

Lusa

MONTIJO: INCÊNDIO NUMA EMPRESA CAUSA DOIS FERIDOS

Lusa

ALVAIÁZERE: SETE UTENTES E DOIS FUNCIONÁRIOS DE LAR INFETADOS COM COVID-19

Vítor Fernandes

BRAGANÇA: PSD QUESTIONA AUSÊNCIA DE RASTREIO DO CANCRO DA MAMA

Lusa