Ligue-se a nós

REGIÕES

PORTO: IPO TRATA DOENTE TERAPÊUTICA DE MODIFICAÇÃO GENÉTICA DE CÉLULAS

O Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto, que em 2019 foi pioneiro em Portugal ao introduzir no tratamento do cancro do sangue uma terapêutica assente na modificação genética de células, atingiu com esta técnica o doente 50.

Online há

em

O Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto, que em 2019 foi pioneiro em Portugal ao introduzir no tratamento do cancro do sangue uma terapêutica assente na modificação genética de células, atingiu com esta técnica o doente 50.

O “marco”, como referiu à agência Lusa o responsável do serviço de Hematologia e Transplantação de Medula Óssea, José Mário Mariz, foi atingido na semana passada e em causa está a utilização de uma terapêutica com células CAR-T, ou seja células de defesa do doente que são geneticamente modificadas em laboratório para se tornarem mais fortes.

“É considerada uma terapêutica inovadora porque implica uma manipulação genética das células do próprio paciente. Sabemos que os linfócitos T combatem os tumores, mas às vezes os tumores conseguem ser mais fortes e os doentes morrem. O que esta terapêutica faz é transformar o linfócito T, dando-lhe mais força”, descreveu o clínico.

Esta é uma estratégia que está aprovada como terceira linha de tratamento.

São tratados com esta terapêutica tumores hematológicos (cancro do sangue) como leucemias e linfomas.

Salvaguardando que “infelizmente nem todos os doentes respondem aos tratamentos”, José Mário Mariz disse que os resultados conseguidos pelo IPO do Porto nesta meia centena de dentes “são equiparados ao que está descrito e ao que outros centros no estrangeiro conseguiram fazer”.

“Ao fim de dois anos, 40% dos doentes têm a doença controlada. Apesar disso esta tecnologia ainda falha em 60% dos casos. Daí ser muito importante identificar o melhor possível que doentes é que beneficiam para não estarmos a fazer tratamentos muito dispendiosos e que serão fúteis em alguns doentes”, referiu.

Os tratamentos com células CAR-T podem chegar aos 350 mil euros por doente.

A propósito do financiamento desta terapêutica que se acredita que evolua no futuro para o tratamento de outras doenças, o presidente do IPO do Porto, Júlio Oliveira, referiu que com os atuais custos, “a massificação é insustentável”, mas frisou também: “Não há doentes que não estejam a fazer o tratamento se tiverem indicação para tal”.

“Têm havido autênticas revoluções no tratamento da doença oncológica nos últimos anos e este é um bom exemplo (…). A questão que se põe é que esta revolução está associada a custos muito elevados. Esta tecnologia ilustra bem o problema que é o custo elevado e o risco da sustentabilidade a prazo, mas não é exclusivo das CAR-T e certo é que o subfinanciamento para o tratamento oncológico, não se traduz em falta de acesso ao tratamento oncológico, ainda que financiamento signifique planeamento e isso que está também em causa”, analisou o presidente do IPO do Porto em declarações à Lusa.

A perspetiva dos dois responsáveis é de que tratamento com células CAR-T evolua porque poderá ser usado mais precocemente e em mais doenças, sendo convicção do diretor de hematologia que o maior impacto acontecerá nos casos de mieloma múltiplo, uma doença que outras terapêuticas não curam.

Indo ao encontro desta ideia, o IPO do Porto tem já em curso um ensaio clínico para mieloma múltiplo em primeira linha, no qual já participaram quatro doentes. A estimativa inicial apontava para cinco doentes em ensaio, mas duplicada já a capacidade do hospital neste projeto, Mário Mariz acredita que chegará a 10.

A ideia é testar se o tratamento com células CAR-T é melhor do que o tratamento convencional que existe atualmente.

Trata-se de um ensaio mundial que exigem que os doentes sejam seguidos durante algum tempo, razão pela qual não são esperados resultados em menos de três anos.

REGIÕES

CARRAZEDA DE ANSIÃES: HOMEM CONSTITUÍDO ARGUIDO POR PROVOCAR INCÊNDIO

A Guarda Nacional Republicana (GNR) constituiu arguido um homem de 41 anos em Marzagão, Carrazeda de Ansiães, por ter ateado um incêndio de forma negligente enquanto manuseava uma motorroçadora, informou hoje a autoridade.

Online há

em

A Guarda Nacional Republicana (GNR) constituiu arguido um homem de 41 anos em Marzagão, Carrazeda de Ansiães, por ter ateado um incêndio de forma negligente enquanto manuseava uma motorroçadora, informou hoje a autoridade.

O caso remonta a 16 deste mês, no distrito de Bragança. A investigação conduzida pela GNR permitiu perceber que a ignição aconteceu durante a realização de atividades agrícolas com uma motorroçadora, de forma negligente, num terreno junto a uma mancha florestal.

A GNR conseguiu identificar o responsável pelos trabalhos que estavam em curso, onde não foram mantidos os cuidados necessários de vigilância. Os factos foram remetidos para o tribunal de Vila Flor.

A Guarda relembrou que a Linha SOS Ambiente e Território – 808 200 520 – funciona em permanência, para a denúncia de infrações ou esclarecimento de dúvidas.

LER MAIS

REGIÕES

COIMBRA: RECLUSOS VÃO TRABALHAR PARA AJUDAR OS SERVIÇOS AUTÁRQUICOS

A Câmara de Coimbra e a prisão local vão celebrar um protocolo de colaboração para que reclusos em regime aberto possam trabalhar em várias áreas do município, como espaços verdes ou resíduos urbanos.

Online há

em

A Câmara de Coimbra e a prisão local vão celebrar um protocolo de colaboração para que reclusos em regime aberto possam trabalhar em várias áreas do município, como espaços verdes ou resíduos urbanos.

O protocolo de colaboração foi hoje aprovado por unanimidade na reunião do executivo camarário, perspetivando a integração laboral de reclusos do Estabelecimento Prisional de Coimbra em várias unidades orgânicas da autarquia.

“A Câmara de Coimbra pretende contribuir, assim, para a ressocialização e para a promoção da reinserção social, familiar e profissional desses reclusos, com vista à sua autonomização progressiva”, salientou o município.

O protocolo prevê que os presos possam trabalhar em tarefas como limpeza de matas e caminhos florestais, jardinagem e manutenção de espaços verdes, limpeza urbana, recolha de resíduos urbanos e obras de reparação e manutenção de edifícios, entre outras.

“Poderão, ainda, ser acrescentadas outras áreas de intervenção, consideradas necessárias e oportunas pela autarquia e passíveis de resposta pelos reclusos do Estabelecimento Prisional de Coimbra”, acrescentou a autarquia.

Os trabalhos irão ocorrer em locais definidos pelos serviços municipais e dentro de um horário estabelecido.

Segundo o município, os presos terão direito a receber da autarquia “uma bolsa de ocupação mensal de montante igual ao valor do Indexante dos Apoios Sociais [cerca de 500 euros] e um subsídio de alimentação referente a cada dia de atividade, de valor correspondente ao atribuído à generalidade dos trabalhadores que exerçam funções públicas”.

O protocolo prevê ainda que os participantes possam integrar ações de formação.

Os reclusos que poderão trabalhar na autarquia serão selecionados pela Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.

LER MAIS

MAIS LIDAS