Ligue-se a nós

REGIÕES

PROCURA POR ASTROTURISMO CRESCE EM PORTUGAL E JÁ CONQUISTA PORTUGUESES

A procura por atividades turísticas que utilizam o céu noturno como principal recurso está a crescer em Portugal, com a “bandeira” da sustentabilidade e sem incomodar os residentes, e até os portugueses já se deixaram conquistar.

Online há

em

A procura por atividades turísticas que utilizam o céu noturno como principal recurso está a crescer em Portugal, com a “bandeira” da sustentabilidade e sem incomodar os residentes, e até os portugueses já se deixaram conquistar.

O astroturismo “é cada vez mais procurado e não só pelo campo, pela zona rural ou por uma nova experiência. As pessoas querem mesmo ver o céu”, afirmou hoje à agência Lusa a presidente da Associação Dark Sky, Apolónia Rodrigues.

Sem dados concretos sobre a importância económica deste tipo de turismo, a responsável indicou que o aumento da “procura já específica” por atividades do astroturismo “começou em 2013” e, desde 2016, que é ainda “mais intensa”.

“Atualmente, já 30% a 40% da procura é específica. Ou seja, não são pessoas que chegam ao local e depois é que sabem que é um destino Dark Sky, mas vêm porque querem mesmo estar nestes locais”, sublinhou.

Apolónia Rodrigues falava à margem da primeira Conferência Internacional de Astroturismo by Starlight, que decorre, até sábado, nas localidades alentejanas de Évora e Mourão, com oradores internacionais e a entrega de prémios.

A Associação Dark Sky, que integra a organização da conferência, juntamente com a Fundação Starlight, gere a Rede Dark Sky Portugal, agregada a três reservas Dark Sky do país: Alqueva, Aldeias de Xisto e Vale do Tua.

Em 2020, com a pandemia de covid-19 e “o sentimento de que a sustentabilidade era o futuro”, assinalou a presidente da Associação Dark Sky, o astroturismo português começou “a ter mais visibilidade e conquistou, definitivamente, o mercado nacional”.

No caso da Reserva Dark Sky Alqueva, a primeira a “nascer” e a receber certificação, as atividades estiveram “sempre completas”, nos meses de julho e agosto, quer em 2020, quer este ano, sobretudo, por portugueses, adiantou.

A responsável destacou que este tipo de turismo “não é cansativo” para os residentes das aldeias ou zonas rurais, pois “não prejudica a vida normal e diária” dos locais e até dinamiza a economia.

“Temos turismo, temos a vida normal sem perturbação e temos negócios a puderem nascer e crescer”, salientou.

Apolónia Rodrigues notou que este setor do turismo ainda pode crescer em Portugal, mas vincou que é necessário “manter a qualidade” do produto turístico, nomeadamente com um “compromisso de combate à poluição luminosa”.

Também em declarações à Lusa, a investigadora Áurea Rodrigues, que estudou o comportamento do consumidor nesta área, considerou que o lançamento do astroturismo em Portugal foi uma aposta ganha, uma vez que há “vários segmentos de mercado interessados”.

“Existe procura de pessoas, principalmente da Europa do Norte, onde há muita tradição nesta área, e, por exemplo, em Inglaterra há mais de 20 mil astrónomos amadores e o céu deles não tem condições para se observarem as estrelas”, justificou.

Áurea Rodrigues, uma das oradoras da conferência, frisou que “a mitigação da poluição luminosa não é um fator que deve ser desenvolvido só para o turismo”, argumentando que tem “reflexos diretos na qualidade de vida e saúde das pessoas”.

Além disso, acrescentou, “as autarquias podem cortar fontes de luz desnecessárias”, o que, “por aí, há uma poupança imediata”.

A investigadora defendeu ainda que os turistas “vão começar a associar os territórios que têm um conjunto de medidas que são sustentáveis como os que têm mais qualidade” e que, por isso, proporcionam “férias melhores”.

“Há muitos destinos rurais, mas um que tenha mais medidas sustentáveis que o outro e que prove que as tenha vai ser sempre muito mais competitivo que o outro”, concluiu.

REGIÕES

PORTO: MARCELO, MONTENEGRO E AGUIAR-BRANCO NA NOITE DE SÃO JOÃO

A noite de São João junta hoje, no Porto, as três principais figuras do Estado, Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, presidente do parlamento, José Pedro Aguiar-Branco, e o primeiro-ministro, Luís Montenegro.

Online há

em

A noite de São João junta hoje, no Porto, as três principais figuras do Estado, Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, presidente do parlamento, José Pedro Aguiar-Branco, e o primeiro-ministro, Luís Montenegro.

Esta é uma tradição, com arraiais e martelinhos, cumprida por vários Presidentes da República desde a década de 1990 quando Mário Soares ocupava o Palácio de Belém, em Lisboa.

Hoje, Marcelo, Aguiar-Branco e Montenegro juntam-se primeiro num restaurante para o jantar de São João do município do Porto, com o presidente da câmara, Rui Moreira.

Depois, vão assistir ao espetáculo de fogo de artifício com vista para o rio Douro e segue-se o arraial pelas ruas, onde há bailaricos, balões, martelos e sardinhas.

LER MAIS

REGIÕES

LISBOA: ASAE SUSPENDE 16 RESTAURANTES ILEGAIS EM ZONA TURÍSTICA

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) suspendeu 16 restaurantes ilegais, numa zona turística de Lisboa, e instaurou 24 processos de contraordenação, no âmbito de uma fiscalização a estabelecimentos de restauração e bebidas, anunciou hoje a entidade.

Online há

em

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) suspendeu 16 restaurantes ilegais, numa zona turística de Lisboa, e instaurou 24 processos de contraordenação, no âmbito de uma fiscalização a estabelecimentos de restauração e bebidas, anunciou hoje a entidade.

No âmbito da Operação Ocultus, foi “determinada a suspensão de atividade de 16 estabelecimentos de restauração e bebidas, por falta de licenciamento e por violação dos deveres gerais e específicos da entidade exploradora”, informou a ASAE, em comunicado.

A ação de fiscalização foi levada a cabo pela Unidade Regional do Sul — Unidade Operacional de Lisboa da ASAE, e teve como principal objetivo verificar o cumprimento das regras para a atividade de restauração e bebidas, com especial enfoque no licenciamento e nas condições técnico-funcionais e de requisitos de higiene, na cidade de Lisboa.

“Foram fiscalizados 26 operadores económicos em zona predominantemente turística, tendo sido instaurados 24 processos de contraordenação, destacando-se como principais infrações de contraordenação, falta de licenciamento para exercício da atividade, falta de requisitos de higiene, falta de implementação de HACCP [Análise de perigos e pontos críticos de controlo], a violação dos deveres específicos da entidade exploradora, entre outras”, refere-se na mesma nota.

A operação resultou ainda na apreensão de cerca de 300 kg de géneros alimentícios por falta de requisitos, num valor de 600 euros.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS