NACIONAL

PROFESSORES ‘AMEAÇAM’ COM GREVE AO TRABALHO EXTRAORDINÁRIO

Os professores ameaçaram hoje realizar uma greve ao trabalho em excesso, com início a 21 de outubro, caso as escolas os obriguem a trabalhar além das 35 horas semanais previstas por lei.

A ameaça de uma nova paralisação, em idênticos moldes à ocorrida durante o ano letivo transato, foi veiculada pelo secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, que falou em nome de 10 organizações sindicais de docentes numa conferência de imprensa, em Lisboa.

Segundo Mário Nogueira, caso venham a confirmar-se “ilegalidades e abusos” nos horários de trabalho dos professores e o Ministério da Educação “deixa ficar e não resolve” o problema, as organizações sindicais, incluindo a Fenprof e a Federação Nacional de Educação (FNE), as maiores estruturas, entregarão a 07 de outubro um pré-aviso de greve ao trabalho em excesso, com início a 21 de outubro, coincidindo com o período de reuniões intercalares.

Para o dirigente da Fenprof, trata-se da “defesa do horário de trabalho” dos professores, que, por lei, são 35 horas semanais e não cerca de 50 horas semanais, o que sucede “muitas vezes” devido a reuniões e “trabalho burocrático” fora do horário, tirando “a capacidade dos professores de se concentrarem nos seus alunos”.

VEJA AINDA:

COVID-19: ESCOLAS DE ACOLHIMENTO SERVIRAM 37 MIL REFEIÇÕES DIÁRIAS

Lusa

COVID-19: MAIS DE METADE DAS ESCOLAS REGISTARAM CASOS DE INFEÇÃO

Lusa

ISOLAMENTO ELEVOU ANSIEDADE PARA NÍVEIS DISFUNCIONAIS EM 10% DE CRIANÇAS EM ESTUDO

Lusa

COVID-19: GOVERNO DECIDE HOJE O ENCERRAMENTO DAS ESCOLAS

Lusa

COVID-19: MARTA TEMIDO ADMITE ENCERRAMENTO DAS ESCOLAS – PANDEMIA

Lusa

COVID-19: QUANDO A ESCOLA FECHA HÁ CRIANÇAS QUE NÃO COMEM – SECRETÁRIO DE ESTADO

Lusa