Ligue-se a nós

ARTE & CULTURA

TRÁFEGO PROVENIENTE DE REDES SOCIAIS PREOCUPA LÍDERES DA COMUNICAÇÃO SOCIAL

Quase dois terços dos líderes dos meios de comunicação a nível mundial estão preocupados com uma redução acentuada no tráfego proveniente de redes sociais, de acordo com um relatório do Reuters Institute hoje divulgado.

Online há

em

Quase dois terços dos líderes dos meios de comunicação a nível mundial estão preocupados com uma redução acentuada no tráfego proveniente de redes sociais, de acordo com um relatório do Reuters Institute hoje divulgado.

O relatório sobre as perspetivas para 2024 revela, com base em dados do Chartbeat, que o tráfego dos sites de notícias oriundo do Facebook caiu 48% em 2023, com o tráfego do X (anteriormente conhecido como Twitter) a diminuir 27%, indicando que 62% dos responsáveis de meios de comunicação estão apreensivos com este cenário.

“Em resposta a estes desenvolvimentos, as prioridades dos editores de notícias estão a mudar”, refere o relatório.

Até 77% dos inquiridos afirma que se irá concentrar mais nos próprios canais diretos de comunicação em 2024, com 22% a recorrer à redução de custos e uma proporção semelhante (20%) a experimentar plataformas alternativas de terceiros.

Em termos de formatos de notícias, a maioria dos entrevistados indica que irá criar mais vídeos (+64 pontos líquidos), mais newsletters (+52) e mais podcasts (+47), mas o mesmo número de artigos de notícias.

Ao considerar plataformas de terceiros, os responsáveis dos meios de comunicação afirmam que se concentrarão muito menos no Facebook e no X e colocarão mais recursos no WhatsApp (+61 pontuação líquida) e no Instagram (+39), após a decisão da Meta de abrir canais de transmissão para editores.

“O interesse em redes de vídeo como TikTok (+55) e YouTube (+44) continua forte, enquanto o Google Discover está a tornar-se uma fonte de referência mais importante, mas volátil”, refere.

O relatório revela ainda que os ‘publishers’ estão mais pessimistas sobre a partilha equitativa de benefícios de acordos com plataformas de Inteligência Artificial.

Por outro lado, apenas 47% da amostra de editores, CEOs e executivos digitais dizem estar confiantes sobre as perspetivas do jornalismo em 2024, com 12% a expressar baixa confiança.

“As preocupações prendem-se com o aumento dos custos, a diminuição das receitas publicitárias, o abrandamento do crescimento das subscrições e o aumento do assédio jurídico e físico”, pode ler-se.

Por outro lado, entre as razões para algum otimismo incluem-se “a esperança de que eleições disputadas nos EUA e noutros lugares possam aumentar o tráfego, apesar dos riscos de que esse aumento seja temporário e prejudique ainda mais a confiança”.

Segundo o relatório, os editores continuam a investir em modelos de assinatura, com a grande maioria dos entrevistados (80%) a considerar que este será um importante fluxo de receita, à frente da publicidade gráfica.

Os editores indicam ainda que irão apostar numa melhor explicação de histórias complexas (67%), abordagens mais orientadas para soluções ou construtivas para contar histórias (44%) e histórias humanas mais inspiradoras (43%).

O relatório prevê ainda que as ferramentas de Inteligência Artificial “que mudam a linguagem das notícias para melhorar a relevância e a compreensão para públicos específicos serão uma característica crescente do cenário noticioso em 2024”.

O relatório tem por base um inquérito, que decorreu entre o final de novembro e início de dezembro de 2023, com uma amostra de 314 participantes oriundos de 56 países.

ARTE & CULTURA

FESTIVAL PORTO FEMME COMEÇA HOJE DEDICADO ÀS MULHERES E À REVOLUÇÃO

O festival internacional de cinema Porto Femme, que começa hoje no Porto, dedica parte da programação às mulheres e à revolução, porque para algumas delas “o 25 de Abril demorou a chegar”.

Online há

em

O festival internacional de cinema Porto Femme, que começa hoje no Porto, dedica parte da programação às mulheres e à revolução, porque para algumas delas “o 25 de Abril demorou a chegar”.

“No ano em que celebramos o 50.º aniversário do 25 de Abril [de 1974], evocamos o dia em que a poesia saiu à rua, exibindo imagens capturadas por mulheres sobre as várias revoluções”, explica a organização deste festival.

Entre os filmes escolhidos estão ‘Revolução’ (1975), de Ana Hatherly, uma montagem “a partir do léxico dos grafites e cartazes do 25 de Abril”, e ‘O aborto não é um crime’ (1976), de Mónica Rutler e Fernando Matos Silva, que fez parte de uma série documental da RTP, de Maria Antónia Palla e Antónia Sousa, que acabou cancelada por via de um processo em tribunal.

“Somente 33 anos depois do 25 de Abril é que o aborto foi legalizado”, lembra a direção do festival Porto Femme.

Em competição vão estar também outros filmes de mulheres que abordam a temática da revolução, como ‘Beirute: Olho da tempestade’ (2021), de Mai Masri, sobre o papel das mulheres na “primavera árabe”, e ‘Sagargur’ (2024), de Natasa Nelevic, sobre um campo de prisioneiros na ilha de São Gregório, no mar Adriático, onde mais de 600 mulheres foram torturadas entre 1949 e 1952.

Nesta sétima edição, o festival Porto Femme vai ainda homenagear a realizadora portuguesa Margarida Cardoso.

Hoje, na abertura do festival, no Batalha — Centro de Cinema, são exibidas as curtas-metragens ‘Mia’ (2023), de Karina Minujin, ‘Oysters’ (2022), de Maaa Descamps, ‘Uli’, (2023), de Mariana Gil Rios.

A competição oficial conta com 122 filmes de 38 países.

O festival de cinema Porto Femme, dedicado ao “melhor cinema produzido por mulheres e pessoas não binárias”, termina no dia 21.

LER MAIS

ARTE & CULTURA

CINEMAS PORTUGUESES COM O MELHOR MÊS DE MARÇO EM RECEITAS DESDE 2018

Os cinemas portugueses atingiram 6,2 milhões de euros em receitas em março, uma subida de 46,3% face ao homólogo de 2023 e o melhor valor desde março de 2018, anunciou hoje o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA).

Online há

em

Os cinemas portugueses atingiram 6,2 milhões de euros em receitas em março, uma subida de 46,3% face ao homólogo de 2023 e o melhor valor desde março de 2018, anunciou hoje o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA).

No entanto, o número de espectadores necessário para chegar ao valor alcançado em março deste ano é menor do que o registado em março de 2018. Se em março de 2018 os cinemas nacionais registaram 6,3 milhões de euros em receitas com 1,2 milhões de entradas, em março deste ano os 6,2 milhões de euros foram conseguidos com 946 mil espectadores.

No acumulado de 2024, as salas de cinemas registaram 16,6 milhões de euros em receitas, 17,4% acima do valor arrecadado no primeiro trimestre de 2023, com 2,7 milhões de espectadores, mais 14,6% do que no ano passado.

A lista de mais vistos do mês de março é encabeçada pelo segundo capítulo da saga “Duna”, de Denis Villeneuve, com mais de 258 mil bilhetes vendidos desde a estreia, em 29 de fevereiro, seguindo-se “O Panda do Kung Fu 4”, de Mike Mitchell e Stephanie Stine, “Bob Marley: One Love”, de Reinaldo Marcus Green, o novo Godzilla contra King Kong, de Adam Wingard, e “Caça Fantasmas: O Império do Gelo”, de Gil Kenan.

O filme português mais visto do ano até março é “A Semente do Mal”, de Gabriel Abrantes, que foi visto por 16.827 pessoas e somou 102 mil euros de receita.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO
A RÁDIO QUE MARCA GOLOS
FAMALICÃO X SPORTING




A RÁDIO QUE MARCA GOLOS
PORTO X VIZELA




A RÁDIO QUE MARCA GOLOS
AROUCA X SPORTING




A RÁDIO QUE MARCA GOLOS
PORTO X BENFICA




RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% INSPIRATION


WEBRADIO 100% DANCE

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL
NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS