RÁDIO REGIONAL
NACIONAL

TRIBUNAL “DECIDE” QUE UM CARRO IMOBILIZADO TEM QUE TER SEGURO

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Tribunal de Justiça da União Europeia delibera que um veículo tem de ter seguro, mesmo sem estar a circuar. Se não o tem, a responsabilidade de pagar às famílias é da proprietária.

Andreia (nome fictício) era proprietária de um automóvel matriculado em Portugal. Os problemas de saúde fizeram com que deixasse de conduzi-lo e estacionou-o no quintal de casa, sem nunca se preocupar em o retirar oficialmente de circulação.

Jamais Andreia pensou que, em novembro de 2006, o filho entrasse no carro e sem a autorização nem o conhecimento dela fosse para a estrada. E muito menos na tragédia que aconteceria de seguida.

O veículo despistou-se, causou a morte do filho, bem como de duas outras pessoas que se encontravam com ele na viatura. Andreia não tinha celebrado, à data do acidente, um seguro de responsabilidade civil resultante da circulação do referido veículo (seguro de responsabilidade civil automóvel).

Sem seguro, foi o Fundo de Garantia Automóvel de Portugal a indemnizar os sucessores dos passageiros pelos danos resultantes do acidente. Como Andreia tinha de celebrar um seguro de responsabilidade civil para o veículo e que não cumpriu essa obrigação, o Fundo pediu o reembolso de 437 345,85 euros pago aos sucessores dos passageiros.

Andreia alegou que não era responsável pelo sinistro e que, na medida em que tinha estacionado o veículo no quintal de casa e que não pretendia colocá-lo em circulação, não estava obrigada a celebrar um contrato de seguro de responsabilidade civil automóvel.

Doze anos mais tarde, esta terça-feira, o caso mereceu a apreciação do Tribunal de Justiça da União Europeia a pedido do Supremo Tribunal de Justiça em Portugal.

O Tribunal de Justiça da União Europeia deliberou que “a celebração de um contrato de seguro de responsabilidade civil automóvel é obrigatória quando o veículo em causa continua matriculado num Estado-Membro e está apto a circular, mas se encontra, unicamente por opção do seu proprietário que já não tenciona conduzi-lo, estacionado num terreno particular.”

Como o carro em causa se enquadra no conceito de «veículo», não deixa de estar abrangido pela obrigação de seguro prevista nessa diretiva, apenas porque o proprietário já não tem a intenção de conduzi-lo e o imobilizou num terreno particular.

O Tribunal de Justiça da União Europeia deliberou ainda que o Fundo de Garantia Automóvel que pagou a indeminização às famílias das vítimas vai ser ressarcido por Andreia do valor de mais de 400 mil euros.

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Marina Pimentel | João Carlos Malta | RR

VEJA AINDA:

BRAGANÇA: UM ‘NOVO’ PERITO FORENSE CONTRADIZ ACUSAÇÃO NO CASO GIOVANI

Lusa

JOÃO PINTO CHEGA A ACORDO COM O FISCO EM PROCESSO DE FRAUDE FISCAL APÓS 21 ANOS

Lusa

AVEIRO: SUSPEITO CONFESSA ASSALTOS, MAS NEGA SEQUESTRO DE CRIANÇAS

Lusa

MIRANDA DO DOURO: MULHER SEPTUAGENÁRIA MORREU VÍTIMA DE ATROPELAMENTO

Lusa

TONDELA: TRIBUNAL CONDENA PRESIDENTE DE CÂMARA A PERDA DE MANDATO E PRISÃO EM PENA SUSPENSA

Lusa

PAREDES: 25 ARGUIDOS SUSPEITOS DE UM ‘ESQUEMA’ DE FRAUDE FISCAL

Lusa

Moschee Teppich

Moschee teppiche werden nicht kurzfristig gewechselt, d.h. das ein Moschee teppich sehr hohe Anforderungen erfüllen muβ. Speziell entworfene Moschee Teppiche zeichnen sich durch Design und Farben aus. Mit der Weiterentwicklung der Technologie werden heute Tausende von Farben und Modellen in Teppichen hergestellt, die mit Moscheen kompatibel sind.

100% Reine Schurwollteppich kaufen: Schurwollteppiche sind Schwerentflammbar, Robust, Strapazierfahig, Antibakteriel und Schmuzabweisend.

Canlı Maç Sonuçları Run 3 Play Snake Friv Atari Breakout cookie clicker unblocked games Düğün Paketleri uygunsigara.com/ Umzug Basel
saç ekimi hair transplant
Umzug Basel
seslendirme santral anons santral seslendirme