RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

ZELENSKY ACUSA ALEMANHA E HUNGRIA DE BLOQUEAREM EMBARGO À ENERGIA RUSSA

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, acusou hoje a Alemanha e a Hungria de bloquearem os esforços para embargar as importações de energia provenientes da Rússia, durante uma entrevista à televisão pública britânica BBC.

O líder ucraniano afirmou que os países europeus que continuam a comprar petróleo russo estão a favorecer as respetivas economias “graças ao sangue dos outros”.

“Alguns dos nossos amigos e parceiros, pelo contrário, compreenderam que os tempos mudaram, que já não estamos perante um problema de negócios ou dinheiro. Estamos perante uma questão de sobrevivência”, disse o líder ucraniano.

“Os Estados Unidos, o Reino Unido e alguns países europeus estão a tentar ajudar, e de facto estão a ajudar, mas necessitámos que o façam mais rapidamente”, acrescentou o Presidente ucraniano.

Numa referência à situação na cidade portuária de Mariupol (leste ucraniano), há várias semanas sob intensos bombardeamentos russos, o governante indicou que “para além das dezenas de milhares de pessoas que morreram, muitas mais estão desaparecidas”.

“Sabemos que os seus documentos foram substituídos. Deram-lhes passaportes russos e enviaram-nos para a Rússia profunda. Alguns para o campo, outros para cidades. Ninguém sabe o que está a acontecer a essa gente. Ninguém sabe quantos foram assassinados”, afirmou.

Zelensky sublinhou que as alegadas atrocidades cometidas pelas tropas russas em Mariupol, Bucha e outros locais na Ucrânia reduziram a possibilidade de garantir o êxito das negociações de paz.

“Bucha está a provocar que se fechem” as possibilidades de um acordo, disse na mesma entrevista à televisão pública britânica.

Bucha é uma localidade a noroeste de Kiev onde foram descobertos dezenas de corpos após a retirada das forças russas e onde estão a ser investigados crimes de guerra.

O líder ucraniano também defendeu a sua gestão política nas semanas prévias à invasão russa, quando o seu Governo exortou os ucranianos a manterem a calma e refreou as perspetivas de um ataque.

Assim, explicou que durante esses dias o seu executivo esteve envolvido na conclusão de acordos que permitissem a compra de armamento e outros fornecimentos, e evitar que o pânico alastrasse entre a população.

“Isso era o que pretendia a Rússia, e não apenas a Rússia, mas não deixámos que ocorresse”, indicou.

“Podem destruir-nos, mas responderemos. Podem matar-nos, mas eles também morrerão. Não consigo compreender porque vieram”, acrescentou Zelensky.

A guerra na Ucrânia, que entrou hoje no 50.º dia, provocou um número de baixas civis e militares ainda por determinar, mas que diversas fontes admitem que será consideravelmente elevado.

O conflito também levou à fuga de quase 12 milhões de pessoas, incluindo 4,7 milhões para países vizinhos.

A comunidade internacional reagiu à invasão russa com sanções económicas e políticas contra Moscovo, e com o fornecimento de armas a Kiev.

VEJA AINDA:

UCRÂNIA: PORTUGAL VAI RECONSTRUIR ESCOLAS NA REGIÃO DE JITOMIR

Lusa

UCRÂNIA: PELO MENOS 343 CRIANÇAS MORRERAM NA SEQUÊNCIA DA INVASÃO RUSSA

Lusa

PUTIN RESPONDE À NATO E SOBRE A UCRÂNIA ASSEGURA QUE ‘NADA MUDOU’ – GUERRA

Lusa

COMBUSTÍVEIS: PESADOS DE MERCADORIAS COM DESCONTO EXTRAORDINÁRIO NO GASÓLEO

Lusa

KIEV SAÚDA ‘POSIÇÃO LÚCIDA’ DA NATO SOBRE A RÚSSIA

Lusa

UCRÂNIA PODE CONTAR COM APOIO DA NATO ‘O TEMPO QUE FOR NECESSÁRIO’ – STOLTENBERG

Lusa