RÁDIO REGIONAL
DESTAQUENACIONAL

UM TERÇO DOS PORTUGUESES ADMITE EXPOSIÇÃO FREQUENTE À DESINFORMAÇÃO

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Quase um terço dos portugueses inquiridos num inquérito do Parlamento Europeu hoje divulgado admite ter sido muito ou frequentemente exposto a notícias falsas, sendo que 12% dizem estar muito confiantes em reconhecer desinformação.

Em causa está um Eurobarómetro hoje divulgado sobre hábitos dos europeus relativamente aos media e a atitude face à desinformação, no âmbito do qual foram feitas 1.079 entrevistas em Portugal de um total de 52.347 no conjunto da União Europeia (UE), entre os dias 26 de abril e 11 de maio.

Segundo os resultados divulgados pelo Parlamento Europeu, 10% dos inquiridos portugueses disse ter sido exposto com muita frequência a desinformação e ‘fake news’ (notícias falsas), enquanto 18% respondeu com frequência, levando assim a que 28% dos questionados em Portugal admitam uma elevada exposição, em linha com o conjunto da UE.

Já 36% dos portugueses inquiridos indicou que só foi exposto algumas vezes a desinformação e notícias falsas, 21% respondeu com raramente, 5% com nunca e 11% não sabiam.

Questionados se estariam confiantes em reconhecer a desinformação e as notícias falsas, 12% dos inquiridos portugueses assinalou sentir-se muito confiante para o fazer, enquanto 54% respondeu estar confiante, 25% pouco confiante, 6% nada confiante e 4% não sabiam.

O Parlamento Europeu observa que, no conjunto da UE, “o nível de confiança na distinção entre notícias reais e notícias falsas diminui com a idade e aumenta com o nível de educação”.

As perceções sobre a UE e o Parlamento Europeu são influenciadas pelo que os cidadãos veem, ouvem e leem em vários meios de comunicação social, mas também nas redes sociais, razão pela qual a assembleia europeia decidiu fazer (através de uma consultora) uma análise sobre estes hábitos, com uma amostra representativa dos europeus com idade igual ou superior a 15 anos, em cada um dos 27 Estados-membros da União Europeia.

Neste Eurobarómetro, os cidadãos foram também questionados sobre as fontes de comunicação social mais fiáveis, sendo que 67% dos portugueses inquiridos apontaram as estações de televisão e rádio públicas, incluindo a sua presença ‘online’ (face a 49% na UE), enquanto 50% destacou a imprensa escrita, como jornais e revistas, incluindo a sua presença ‘online’ (face a 39% na UE).

Seguiram-se as estações de televisão e as rádios privadas (com 49% de respostas em Portugal, que comparam com 27% na UE).

Ainda avaliado foi o uso das redes sociais pelos cidadãos europeus, com os portugueses a mencionarem utilizar principalmente o Facebook (81%), o WhatsApp (74%), o Instagram (56%), o Messenger (56%) e o YouTube (55%).

De acordo com a assembleia europeia, no conjunto da UE, “em todos os grupos etários, cerca de metade dos inquiridos utilizam as redes sociais para enviar mensagens diretas a amigos e familiares e pelo menos quatro em cada 10 utilizam as redes sociais para acompanhar as notícias e eventos atuais”, com percentagens que variam entre os 44% e os 46%.

Ainda assim, “existe uma diferença nos hábitos de publicação”, já que “28% dos jovens de 15-24 anos publicam os seus próprios conteúdos nas redes sociais, em comparação com 15% das pessoas com mais de 55 anos de idade”, conclui a instituição.

Os resultados da UE são ponderados de acordo com a dimensão da população de cada país.

VEJA AINDA:

MOVIMENTO DE AQUISIÇÕES NOS MEDIA EM PORTUGAL ‘VAI CONTINUAR’

Lusa

RÁDIO: ‘DISTRIBUIÇÃO ASSIMÉTRICA’ NAS VÁRIAS REGIÕES DO PAÍS, DIZ A ERC

Lusa

UNIÃO EUROPEIA ANUNCIA CÓDIGO DE CONDUTA CONTRA AS FAKE-NEWS

Lusa

ESTUDO: INFORMAÇÃO FOI A MEDIDA MAIS EFICAZ PARA TRAVAR CONTÁGIO DE COVID-19

Lusa

TELEGRAM: GOVERNO DIZ QUE ‘NÃO ESTAMOS CONDENADOS À PIRATARIA’

Lusa

ARIC ACUSA ESTADO DE ‘ALHEAMENTO CRÓNICO’ PARA PROBLEMAS DA RÁDIO LOCAL

Lusa