Ligue-se a nós

REGIÕES

VALPAÇOS: UTAD ALIA-SE A PRODUTORES NO COMBATE AO FUNGO DA CASTANHA

Investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) apresentaram hoje aos produtores de Valpaços uma solução para ajudar a combater a podridão da castanha, um fungo que estragou cerca de 40% da produção em 2023.

Online há

em

Investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) apresentaram hoje aos produtores de Valpaços uma solução para ajudar a combater a podridão da castanha, um fungo que estragou cerca de 40% da produção em 2023.

Na aldeia de Rio Bom, perto de Carrazedo de Montenegro, Valpaços, realizou-se uma ação de demonstração de como aplicar o tratamento nos castanheiros, através da pulverização, de forma a evitar a ocorrência do fungo que provoca a podridão da castanha.

Nesta zona, em plena Serra da Padrela, no distrito de Vila Real, situa-se a maior mancha de castanha judia da Europa, o fruto que é a principal fonte de rendimento para muitas famílias.

José Gomes Laranjo, investigador do Centro de Investigação e de Tecnologias Agroambientais e Biológicas (CITAB), da UTAD, disse à agência Lusa que o impacto do fungo ‘Gnomoniopsis castaneae’, que provoca a podridão castanha, tem vindo a aumentar de ano para ano e, só em 2023, estragou “cerca de 40% da produção nacional”.

A demonstração que decorreu hoje está inserida no protocolo “Salvar a Castanha” assinado pela UTAD e pela Agromontenegro, uma empresa local de unidade de transformação, embalagem e comercialização de castanha.

Os destinatários desta iniciativa são cerca de 100 agricultores que, no seu conjunto, exploram cerca de 1.000 hectares de souto.

O investigador explicou que o tratamento consiste na aplicação de um composto nutritivo, importado de Itália, e que é constituído à base de zinco, manganês e molibdénio nas copas dos castanheiros.

“Com este tratamento vamos ajudar a controlar o fungo que se instala nas flores femininas do castanheiro, as quais irão originar, mais tarde, os ouriços com castanhas”, explicou José Gomes Laranjo.

No ano passado, produtores de castanha desta zona queixaram-se de falta de informação e de não terem sido avisados atempadamente para a necessidade de um tratamento que ajudasse a evitar o fungo, que estraga o interior da castanha e que provocou a queda do preços de venda deste fruto.

O responsável frisou que o objetivo do trabalho que está a ser feito no terreno é que, na próxima campanha, “haja castanhas com qualidade” e “restaurar a confiança junto dos consumidores”.

“É um problema novo, a produção não o conhece ainda, não sabe muito bem o que fazer, mas nós sabemos, porque andamos a estudá-lo desde 2020/21”, salientou, referindo-se ao trabalho de investigação efetuado pela Associação Europeia da Castanha (Eurocastanea).

O investigador explicou que foram testados vários produtos até se encontrar um tratamento que pode ajudar a fazer um controlo da podridão.

No terreno sensibilizam-se agora os produtores para o tratamento dos castanheiros porque “este é o momento” de fazer o tratamento e impedir que ocorra a infeção das flores.

“Normalmente, é nesta altura do ano que ocorre a infeção, pelo que é importante passar esta informação o quanto antes. Esperamos que na próxima campanha de colheita se possam refletir os resultados deste dia e de outros como este”, referiu o investigador.

Acrescentou ainda que este ano há condições favoráveis para a infeção dos castanheiros, por causa da humidade e do calor que se têm verificado.

“O setor não pode ter mais um ano com o nível da qualidade da castanha que teve em 2023 e há que fazer alguma coisa”, frisou.

José Gomes Laranjo salientou que há outros produtores de outras regiões, para além de Carrazedo de Montenegro, que já se mostraram interessados na aplicação deste tratamento.

REGIÕES

VILA FLOR: AUTARQUIA DISPONIBILIZA WHATSAPP PARA COMUNICAR COM MUNÍCIPES

Vila Flor, no distrito de Bragança, vai ter em breve à disposição dos munícipes e visitantes uma plataforma que permite comunicar diretamente com a autarquia, informou hoje a Câmara Municipal.

Online há

em

Vila Flor, no distrito de Bragança, vai ter em breve à disposição dos munícipes e visitantes uma plataforma que permite comunicar diretamente com a autarquia, informou hoje a Câmara Municipal.

O objetivo é aproximar e facilitar a comunicação com os munícipes e visitantes. A aplicação está em fase de testes, para serem afinados e otimizados os pormenores da utilização. A previsão é que possa entrar em pleno funcionamento em setembro.

“Qualquer ‘smartphone’ que tenha o WhatsApp instalado, ao entrar na zona de Vila Flor recebe uma mensagem e é convidado a entrar na plataforma, podendo ou não aderir. Se aceitar o convite, faz um breve registo onde pedimos que nos diga a sua origem, e depois pode comunicar diretamente com os serviços ou com o executivo de Vila Flor”, explicou o presidente da Câmara Municipal, Pedro Lima.

Para o autarca, esta ferramenta é uma forma prática e atual de comunicar.

“É uma inovação na gestão autárquica que ainda existe muito pouco nos nossos municípios portugueses. Hoje em dia, todos, à parte de uma franja que está um pouco infoexcluída, usam WhatsApp. Por isso vimos como uma oportunidade”, considerou Pedro Lima.

Se a mensagem for dirigia ao presidente da câmara, o município explicou que primeiro é enviada uma mensagem de boas-vindas e que depois Pedro Lima responde ao solicitado.

“Questões que envolvam alguma consulta, como do foro jurídico ou regulamentar da câmara, tenho de pedir apoio nesse departamento. Mas a resposta virá sempre através de mim (…)”, garantiu o autarca.

A nova funcionalidade vai estar disponível 24 horas, todos os dias do ano, e é interativa, ao permitir ainda “comunicar ocorrências, aceder a informação institucional, colocar dúvidas e fazer sugestões e até falar diretamente com o presidente da Câmara Municipal ou agendar uma reunião”, detalhou o município.

Por exemplo, para reportar uma ocorrência, o programa apresenta uma lista com várias opções predefinidas, para facilitar a comunicação. Pode até ser anexada uma fotografia e as coordenadas de localização, para uma resposta mais eficiente.

A plataforma vai estar disponível em português e em inglês, a pensar também nos visitantes, que podem obter informações sobre onde dormir, onde comer ou qual a farmácia de serviço.

Esta é também uma forma, segundo Pedro Lima, de recolher informação sobre a faixa etária ou o local de residência de quem aceder à aplicação, o que vai permitir dar uma resposta mais adequada às necessidades e perceber o perfil de quem visita o concelho.

Vila Flor é um dos 12 concelhos do distrito de Bragança, tem uma área de 265,81 quilómetros quadrados e 14 freguesias. De acordo com os últimos censos, conta com cerca de seis mil habitantes.

LER MAIS

REGIÕES

PORTO: ATROPELAMENTO NA RUA CHAVES DE OLIVEIRA SOB INVESTIGAÇÃO

A PSP está hoje a investigar o atropelamento, na quarta-feira à noite, de um funcionário de um posto de abastecimento de combustíveis na Rua Chaves de Oliveira, no Porto, quando tentava travar o furto de combustível.

Online há

em

A PSP está hoje a investigar o atropelamento, na quarta-feira à noite, de um funcionário de um posto de abastecimento de combustíveis na Rua Chaves de Oliveira, no Porto, quando tentava travar o furto de combustível.

Em declarações à Lusa, fonte das Relações Públicas do Comando Metropolitano do Porto da PSP explicou que “estão a ser trabalhadas as gravações vídeo” para identificar a viatura usada, assim como os suspeitos.

Os alegados autores do crime chegaram ao posto, pararam e encheram diversos recipientes de combustível que colocaram dentro da viatura e preparavam-se para sair sem pagar, disse.

O funcionário apercebeu-se do furto e tentou travar a fuga, acabando por ser atropelado.

A vítima foi assistida no local pela equipa da viatura de emergência médica, do Hospital de Santo António, tendo posteriormente sido transportado para o Hospital de São João.

LER MAIS

MAIS LIDAS