REGIÕES

VIANA DO CASTELO: CAMINHADA PARA ‘MOSTRAR’ O IMPACTO DAS MINAS DE LÍTIO

Uma caminhada em torno do maciço granítico da Serra d’Arga quer mostrar “ao vivo”, no domingo, o impacto da eventual exploração de lítio naquela área partilhada por Viana do Castelo, Caminha, Ponte de Lima e Vila Nova de Cerveira.

“O objetivo é alertar a população. Explicar o que está em causa, e nada melhor do que vermos ao vivo as zonas e a biodiversidade que poderá ser afetada. Achamos que melhor do que uma sessão de esclarecimento dentro de quatro paredes é uma sessão de esclarecimento feita a caminhar no próprio local”, disse esta segunda-feira à agência Lusa o porta-voz do movimento SOS Serra d’Arga, que organizada a ação.

Segundo Carlos Seixas, a caminhada, com uma extensão de cerca de seis quilómetros, começa e termina na Chã Grande, na Senhora do Minho. O ponto de encontro dos participantes está marcado para domingo, pelas 08h30, na Chã Grande na Senhora do Minho, com chegada às 11h30, ao mesmo local o destino dos participantes que optarem por fazer o percurso em BTT. Segundo o porta-voz do movimento SOS Serra d’Arga, os interessados “terão de se inscrever num formulário online que foi criado para o efeito e onde constam todas as regras determinadas pela Direção-Geral da Saúde”.

“As pessoas terão de usar máscaras de proteção, sendo que os participantes serão distribuídos por grupos, que partirão para a caminhada intervalados entre si para garantir o devido distanciamento social”, especificou.

O movimento SOS Serra d’Arga tem vindo a promover, desde agosto, várias ações de sensibilização, envolvendo associações galegas “em defesa de um património comum, o rio Minho, que poderá estar em causa se o projeto de mineração que o Governo português pretende implementar for para a frente”.

Em comunicado esta segunda-feira enviado à Lusa, o movimento explicou que a caminhada marcada para domingo pretende ser “um momento de celebração e tributo ao património natural, cultural, histórico e paisagístico da nossa serra sagrada”, com o “propósito de partilhar e experienciar, coletivamente, a vastidão da paisagem e ajudar a formar uma consciência clara do que se encontra sob ameaça de um projeto de fomento mineiro que o Governo pretende implementar”.

A serra d’Arga abrange uma área de 10 mil hectares, nos concelhos de Caminha, Vila Nova de Cerveira, Viana do Castelo e Ponte de Lima, dos quais 4.280 se encontram classificados como Sítio de Importância Comunitária. Aqueles municípios já deram início ao projeto “Da Serra d’Arga à Foz do Âncora”, liderado pela Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho, que visa a classificação da Serra d’Arga como Área de Paisagem Protegida de Interesse Municipal. O movimento SOS Serra d’Arga congratula-se com a iniciativa, mas “não descansa”.

“Estamos muito satisfeitos com o processo já iniciado pelas câmaras municipais para a criação da área protegida. É mais um instrumento de proteção, mas não estamos descansados. O projeto de decreto-lei, recentemente publicado pelo Governo, nem sequer assegura que estas zonas venham a ser protegidas da mineração e, por isso, não podemos estar sossegados. É mais um passo até termos assegurada a suspensão definitiva deste processo que visa a mineração dos nove sítios no Norte de Portugal”, disse Carlos Seixas.

Em julho de 2019, o Governo decidiu “excecionar” o sítio Rede Natura 2000 Serra d’Arga do conjunto de áreas a integrar no concurso para a prospeção de lítio, mas o movimento SOS Serra d’Arga assegura que se mantém a pretensão de exploração mineira naquela serra. Segundo o Orçamento do Estado, o Governo quer criar em 2020 um “cluster” do lítio e da indústria das baterias e vai lançar um concurso público para atribuição de direitos de prospeção de lítio e minerais associados em nove zonas do país. Devem ser abrangidas as áreas de Serra d’Arga, Barro/Alvão, Seixo/Vieira, Almendra, Barca Dalva/Canhão, Argemela, Guarda, Segura e Maçoeira.

No início deste mês, a Comissão Europeia defendeu a exploração de lítio no norte de Portugal, no âmbito da nova estratégia da União Europeia (UE) para reduzir a dependência externa de matérias-primas essenciais, mas apelou ao diálogo com as comunidades locais.

VEJA AINDA:

AVEIRO: 13 ANOS DE PRISÃO PARA HOMEM QUE MATOU A MÃE

Lusa

AÇORES: SITUAÇÃO DE CALAMIDADE PROLONGADA ATÉ 23 DE OUTUBRO

Lusa

MONTIJO: INCÊNDIO NUMA EMPRESA CAUSA DOIS FERIDOS

Lusa

ALVAIÁZERE: SETE UTENTES E DOIS FUNCIONÁRIOS DE LAR INFETADOS COM COVID-19

Vítor Fernandes

BRAGANÇA: PSD QUESTIONA AUSÊNCIA DE RASTREIO DO CANCRO DA MAMA

Lusa

BRAGANÇA: MAIS 23 IDOSOS INFETADOS EM LARES DA MISERICÓRDIA

Lusa