RÁDIO REGIONAL
ECONOMIA & FINANÇAS

ANTÓNIO COSTA ANUNCIA REDUÇÃO DE 17 CÊNTIMOS ATÉ AGOSTO NO GASÓLEO PROFISSIONAL

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O primeiro-ministro afirmou hoje que o seu Governo já mobilizou 1,682 mil milhões de euros para combater os efeitos globais da inflação e adiantou que o gasóleo profissional extraordinário baixará em 17 cêntimos em julho e agosto.

António Costa falava na abertura do debate da moção de censura do Chega ao Governo, na Assembleia da República, na parte do seu discurso que dedicou ao combate à inflação.

“Entre medidas para travar o aumento dos preços e medidas de apoio às famílias mais vulneráveis e às empresas mais expostas aos custos energéticos, o Governo já mobilizou um total de 1,682 mil milhões de euros para combater os efeitos da inflação global.

De acordo com o primeiro-ministro, o país está perante uma inflação importada, fruto da pandemia, agravada pela guerra da Rússia contra a Ucrânia, que exige medidas de natureza global e medidas à escala da União Europeia, que atuem sobre as causas dos aumentos de preços.”.

Na sua intervenção, António Costa destacou em especial uma: “No que diz respeito aos transportes de mercadorias, reduziu-se em 50% o IUC dos pesados, procedeu-se a um aumento do limite anual do gasóleo profissional e foi concedido um apoio financeiro extraordinário de 54 milhões de euros”.

“Para os meses de julho e agosto, foi criado um gasóleo profissional extraordinário que permitirá uma redução de 17 cêntimos por litro”, completou.

Em primeiro lugar, segundo António Costa, o Governo adotou um conjunto de medidas para conter o aumento do preço final quer da eletricidade, quer dos combustíveis”.

VEJA AINDA:

MERCADO AUTOMÓVEL RECUA 5,9% EM PORTUGAL ATÉ JULHO — ACAP

Lusa

INFLAÇÃO SOBE PARA 9,1% EM JULHO E ATINGE MÁXIMO DESDE NOVEMBRO DE 1992 – INE

Lusa

INCÊNDIOS E SECA AGRAVAM INFLAÇÃO E DIFICULTAM AS CONTAS DO GOVERNO

Lusa

MATOSINHOS: EX-TRABALHADORES DA REFINARIA REAGEM AOS LUCROS DA GALP

Lusa

GAZPROM ANUNCIA NOVO CORTE DRÁSTICO NAS ENTREGAS DE GÁS À EUROPA

Lusa

PORTAGENS PODERÃO TER AUMENTO ‘SIGNIFICATIVO’ SE GOVERNO NÃO INTERVIER

Lusa