RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

GUINÉ-BISSAU: ENCERRAMENTO DE RÁDIOS VISA ELIMINAR PLURALISMO E DESVIRTUAR DEMOCRACIA

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto Mário da Silva, considerou hoje que o encerramento de rádios na Guiné-Bissau só teve como objetivo eliminar o pluralismo, silenciar vozes críticas, e desvirtuar a democracia.

“A decisão não teve por base nenhuma motivação de ordem legal, científica ou moral, mas sim, apenas e só, o interesse político de eliminar o pluralismo, silenciar as vozes críticas e defraudar ou desvirtuar a democracia na Guiné-Bissau”, disse Augusto Mário Silva.

O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) falava em conferência de imprensa, na Casa dos Direitos, em Bissau, sobre o encerramento de 79 rádios comerciais e comunitárias do país por alegada falta de pagamento de licença de emissão.

“Ao ordenar o encerramento compulsivo de estações de radiodifusão, sem qualquer pressuposto legal, o Governo da Guiné-Bissau acaba de iniciar a sua investida final conducente ao pretendido desmantelamento total do Estado de Direito democrático para dar lugar ao Estado autocrático e ditatorial”, salientou o responsável pela organização de defesa dos direitos humanos.

Segundo Augusto Mário Silva, a liberdade de imprensa é considerada uma prioridade no seio das sociedades democráticas devido à sua “importância no aprofundamento da democracia e na formação de uma opinião pública esclarecida”.

“Esta medida estalinista do Governo ignora o papel estratégico desempenhado pelas estações emissoras, sobretudo as rádios comunitárias, no esforço de educação ambiental, participação cidadã, promoção da cultura de paz e desenvolvimento inclusivo”, sublinhou.

O presidente da LGDH considerou também estranho o comunicado da Inspeção Geral da Comunicação Social, divulgado na terça-feira, que “condiciona e limita o funcionamento das rádios comunitárias à conexão em cadeia com a Rádio Nacional nos seus blocos noticiosos das 13:00 e 20:00, numa clara e grosseira interferência na linha editorial das mesmas”.

Augusto Mário Silva pediu também a todos os parceiros internacionais que “ainda acreditam nos valores da liberdade, a interpelarem o Governo no sentido da cessação urgente de todos os atos arbitrários que visam aniquilar o Estado de Direito democrático”.

A LGDH “chama a atenção da CEDEAO [Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental] e de toda a comunidade internacional em geral para a derrapagem do Estado de Direito na Guiné-Bissau e, consequentemente, degradação dos direitos humanos”.

VEJA AINDA:

UCRÂNIA: PORTUGAL VAI RECONSTRUIR ESCOLAS NA REGIÃO DE JITOMIR

Lusa

UCRÂNIA: PELO MENOS 343 CRIANÇAS MORRERAM NA SEQUÊNCIA DA INVASÃO RUSSA

Lusa

RÁDIO: ‘DISTRIBUIÇÃO ASSIMÉTRICA’ NAS VÁRIAS REGIÕES DO PAÍS, DIZ A ERC

Lusa

KIEV SAÚDA ‘POSIÇÃO LÚCIDA’ DA NATO SOBRE A RÚSSIA

Lusa

CRESCIMENTO DA AQUICULTURA LEVA PRODUÇÃO A NÍVEL RECORDE EM 2020

Lusa

LIMITAR AQUECIMENTO GLOBAL A 1,5 GRAUS REDUZIRÁ SIGNIFICATIVAMENTE RISCOS PARA HUMANOS

Lusa