Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

JULIAN ASSANGE FOI DETIDO À FORÇA

O fundador do WikiLeaks foi detido pela polícia britânica, na manhã desta quinta-feira, na embaixada do Equador em Londres, onde se encontrava asilado há quase sete anos. Já circulam imagens do momento da detenção.

Online há

em

O fundador do Wikileaks, Julian Assange, foi detido pela polícia londrina, após quase sete anos asilado na embaixada do Equador em Londres. Veja aqui o vídeo do momento em que é retirado da embaixada.

O presidente do Equador, Lenín Moreno, disse hoje que o governo de Quito decidiu “de maneira soberana” retirar o estatuto de asilo a Julian Assange, o que já provocou o protesto da organização Wikileaks.

Através da rede social Twitter, o Wikileaks acusa o embaixador do Equador de “ter convidado” a polícia britânica a prender Assange no interior do edifício da embaixada, em Londres, e referiu-se ao chefe de Estado do Equador que deixou de proteger o fundador da organização.

“O Equador decidiu de maneira soberana retirar o asilo diplomático a Julian Assange por ter violado em várias ocasiões as convenções internacionais e o protocolo de coabitação”, justificou por seu turno o Presidente do Equador, Lenin Moreno.

Entretanto, o ex-presidente do Equador, Rafael Correa, exilado na Bélgica desde 2017, acusou hoje o atual chefe de Estado de responsabilidade na prisão do fundador do Wikileaks considerando-o “o maior traidor da história latino-americana”.

“Ele (Lenin Moreno) pôs a vida de Assange em perigo e humilhou o Equador”, afirmou Rafael Correa através da rede social Twitter.

Em comunicado, a polícia indicou que executou um mandado de detenção emitido em 2012 após o Equador ter retirado o direito de asilo ao australiano de 47 anos.

Assange refugiou-se na embaixada equatoriana na capital britânica em 2012 para evitar a extradição para a Suécia, que solicitou que o fundador do Wikileaks se entregasse por supostos crimes sexuais, um processo que, entretanto, prescreveu.

Assange recusou entregar-se às autoridades britânicas por receio de ser extraditado para os Estados Unidos (EUA), onde poderia enfrentar acusações de espionagem puníveis com prisão perpétua.

Em 2010, o WikiLeaks divulgou mais de 90.000 documentos confidenciais relacionados com ações militares dos EUA no Afeganistão e cerca de 400.000 documentos secretos sobre a guerra no Iraque.

Naquele mesmo ano foram tornados públicos cerca de 250.000 telegramas diplomáticos do Departamento de Estado dos Estados Unidos, que embaraçou Washington.

Na quarta-feira, o portal Wikileaks afirmava que Assange foi vítima de uma sofisticada operação de espionagem, por parte da embaixada do Equador, em Londres, durante o último ano.

As reuniões entre advogados e um médico na embaixada foram filmadas “em segredo” no último ano, disse a Wikileaks.

A organização que desde a semana passada alertava sobre a detenção de Assange disse ainda que um “indivíduo suspeito”, não identificado, ofereceu em Espanha o material que tinha sido gravado na embaixada a troco de três milhões de euros.

O diretor do Wikileaks afirmava na quarta-feira que se deslocou a Espanha para se encontrar com o “indivíduo que lhe mostrou registos gravados em vídeo” das reuniões que manteve com Assange em 2018 e a cópia de um documento que deixou ficar numa sala do edifício da embaixada.

De acordo com o mesmo responsável, que não especificou o conteúdo do documento, a polícia espanhola foi informada sobre a venda dos vídeos sendo que “pelo menos” um juiz espanhol foi informado da situação.

Igualmente, na quarta-feira a advogada do Wikileaks, Jennifer Robinson indicava que ia enviar uma queixa às Nações Unidas sobre as supostas atividades de espionagem contra Assange.

A advogada expressava “preocupação” sobre a alegada cooperação entre o governo do Equador e os Estados Unidos.

Por outro lado, Hrafnsson sublinhava que Assange tinha restringidas todas as comunicações e visitas desde que Lénin Moreno assumiu a presidência do Equador, no ano passado.

INTERNACIONAL

KAMALA HARRIS ESPERA NOMEAÇÃO DEMOCRATA CONTRA TRUMP

A vice-presidente norte-americana, Kamala Harris, afirmou hoje pretender “merecer e ganhar” a nomeação do Partido Democrata às eleições presidenciais e derrotar o republicano Donald Trump, após ter recebido o apoio do desistente Joe Biden.

Online há

em

A vice-presidente norte-americana, Kamala Harris, afirmou hoje pretender “merecer e ganhar” a nomeação do Partido Democrata às eleições presidenciais e derrotar o republicano Donald Trump, após ter recebido o apoio do desistente Joe Biden.

“É uma honra receber a recomendação do Presidente e a minha intenção é merecer e ganhar esta nomeação”, disse Harris, numa declaração em que qualifica a decisão de Joe Biden abandonar a corrida de um “ato abnegado e patriótico”.

A desistência de Joe Biden a uma reeleição no cargo, hoje anunciada, acontece um mês antes da convenção dos Democratas, na qual deverá ser escolhido novo candidato. A convenção está marcada de 19 a 22 de agosto, em Chicago, e o que deveria ser uma confirmação de Joe Biden na corrida à Casa Branca transformou-se num “concurso aberto”, como escreveu a Associated Press, no qual 4.700 delegados vão votar num candidato para defrontar o republicano Donald Trump nas presidenciais de novembro.

LER MAIS

INTERNACIONAL

EUA: JOE BIDEN DESISTE DA REELEIÇÃO

O Presidente norte-americano, Joe Biden, o mais velho na história do país, desistiu da corrida às eleições presidenciais de novembro, justificando que a sua saída era do interesse do Partido Democrata e do país.

Online há

em

O Presidente norte-americano, Joe Biden, o mais velho na história do país, desistiu da corrida às eleições presidenciais de novembro, justificando que a sua saída era do interesse do Partido Democrata e do país.

O líder da Casa Branca tem 81 anos e a sua condição de saúde foi questionada, nomeadamente após um debate desastroso com o candidato republicano Donald Trump, que levantou dúvidas sobre a aptidão do atual Presidente para o cargo, quando faltam apenas quatro meses para as eleições.

A decisão de abandonar a corrida surge após uma pressão crescente dos aliados democratas de Biden para que este se afaste após o debate de 27 de junho, no qual o Presidente de 81 anos deu algumas vezes respostas sem sentido e não conseguiu chamar a atenção para as muitas falsidades do antigo presidente.

Biden apoiou a vice-presidente Kamala Harris, de 59 anos, para enfrentar Trump e encorajou o seu partido a unir-se em torno dela.

Joe Biden, que em janeiro de 2021 se tornou o Presidente mais velho na história dos Estados Unidos, aos 78 anos e 61 dias, anunciou em abril a sua recandidatura ao cargo, depois de quatro anos de uma liderança algo conturbada, anunciando aos 80 anos que tinha intenção de se manter no cargo até 2029.

Eleito em 1972 senador do Delaware pelo Partido Democrata, Joseph Robinette Biden Jr. teve desde cedo um diálogo com comunidades afro-americanas.

O “assalto” à Casa Branca ocorreu em três ocasiões: 1988, quando fracassou devido a acusações de plágio, 2008, quando acabou como ‘vice’ de Barack Obama, e, finalmente, em 2020, acabando por vencer o Presidente incumbente, Donald Trump.

Biden foi eleito em 2021 ao lado de Kamala Harris, a primeira mulher negra e de ascendência sul-asiática na vice-presidência.

Uma compilação de sondagens publicada pela RealClearPolitics dá a a Trump 47,7% contra 44,7% do seu potencial adversário democrata, com base na média de uma dezena de sondagens concluídas entre 02 e 18 de julho, resultado que está em linha com a distância adquirida por Trump após o debate televisivo entre ambos no final do mês passado.

LER MAIS

MAIS LIDAS