RÁDIO REGIONAL
NACIONAL

MAIORIA CONCORDA COM SERVIÇO MILITAR VOLUNTÁRIO MAS 40% PREFERIA OBRIGATORIEDADE

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Cerca de 60% dos portugueses concorda com o caráter voluntário do serviço militar e 40% defende o regresso à obrigatoriedade, percentagem que aumenta nas faixas acima dos 45 anos, indica um estudo do Instituto da Defesa Nacional.

O inquérito, apresentado hoje, resulta de uma parceria entre o Instituto da Defesa Nacional (IDN), a Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional (DGRDN), o Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-ULisboa) e o Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI-Nova) e pretende perceber quais as opiniões da população portuguesa sobre a Defesa Nacional e das Forças Armadas.

O serviço militar deixou de ser obrigatório em Portugal em 2004 e a maioria dos inquiridos (59,7%) concorda com este modelo. No entanto, uma “franja relevante” de cerca de 40% mostra preferência por uma prestação militar obrigatória.

“Apesar da preferência pelo voluntariado ser maior em todos os grupos etários, é possível dar conta que à medida que aumenta a idade, aumenta também a percentagem de população favorável a um serviço militar de cariz obrigatório”, salienta-se no estudo.

Verificam-se variações significativas na análise por faixas etárias: a esmagadora maioria dos jovens entre os 18 e 24 anos é a favor do regime voluntário (74,1%) e entre os 25 e os 44 anos este número desce para os 65,1%.

É a partir dos 45 anos que a percentagem de inquiridos que preferia a obrigatoriedade do serviço militar supera a média (42,9%), sendo que acima dos 65 anos aproxima-se dos 50%.

Por sexo, são as mulheres que tendem a valorizar mais a natureza voluntária do serviço militar e, quanto aos níveis de escolaridade, “a percentagem de população favorável a um serviço militar voluntário aumenta nos níveis de escolaridade mais elevados, ultrapassando os 70% de entre quem tem o Ensino Superior”.

Questionados sobre o Dia da Defesa Nacional (DDN), atividade cívica de caráter obrigatório que visa sensibilizar os jovens que atingem a maioridade sobre a temática da Defesa Nacional e o papel das Forças Armadas, a maioria mostra-se a favor (72%), principalmente os mais jovens, até aos 24 anos.

Quanto ao financiamento das Forças Armadas, 67% dos inquiridos considera “insuficientes” as verbas do Orçamento do Estado destinadas à Defesa, valor contrastante com os 6,4% que as classifica como “excessivas”.

Quanto à dimensão das Forças Armadas, considerando o nível de efetivos militares (que atualmente ronda os 23 mil), 44,9% dos inquiridos considera este número “insuficiente”, 42,2% acha-o “adequado” e apenas 12,9% considera-o “excessivo”.

O estudo adianta ainda que “existe uma perceção bastante saliente de que o mundo será mais inseguro na próxima década”, sendo que no caso de Portugal, os inquiridos destacam como ameaças mais prováveis “uma possível crise económica mundial” e o “surgimento de pandemias e epidemias”.

Neste campo, a Organização do Tratado do Atlântico Norte e a União Europeia, às quais Portugal pertence, são bem vistas e consideradas importantes para a segurança do país por uma clara maioria: 72,9% classifica como “importante/muito importante” a participação na NATO e 83,1% o papel de liderança internacional da UE.

Para este estudo foram inquiridos 1509 cidadãos portugueses, de ambos os sexos, com idade igual ou superior a 18 anos, residentes em Portugal Continental e Regiões Autónomas.

A recolha de informação foi feita entre os dias 07 de janeiro e 24 de fevereiro de 2021, em período pandémico, o que pode ter tido impacto sobre os resultados “quer em virtude de uma maior perceção de ameaça à segurança, quer pela maior visibilidade pública das Forças Armadas devido ao papel de relevo que assumiram na estratégia de combate à pandemia”.

Os resultados são hoje apresentados no IDN, em Lisboa, pelos coordenadores científicos, Pedro Magalhães, investigador principal do ICS – Universidade de Lisboa, e Raquel Vaz-Pinto, investigadora integrada do IPRI-Nova, numa sessão que conta com a diretora do IDN, Helena Carreiras, na abertura e na moderação do debate, e com o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, no encerramento.

VEJA AINDA:

LISBOA: AGENTE DA POLÍCIA DETIDO POR SUSPEITA DE TRÁFICO DE OURO E DIAMANTES

Lusa

PJ DETEVE 10 PESSOAS E EXECUTOU 100 MANDADOS DE BUSCA EM ‘OPERAÇÃO MIRÍADE’

Lusa

MAIS DE 60% DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM PORTUGAL JÁ TEM VACINAÇÃO COMPLETA

Lusa

PORTUGUESES PREOCUPAM-SE COM SAÚDE DIGESTIVA MAS POUCOS PROCURAM ESPECIALISTA

Lusa

PORTUGUESES E RESTANTES EUROPEUS QUEREM METAS CLIMÁTICAS MAIS AMBICIOSAS

Lusa

CONFINAMENTO CONTRIBUIU PARA A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA ENTRE PORTUGUESES NOS EUA

Lusa

Moschee Teppich

Moschee teppiche werden nicht kurzfristig gewechselt, d.h. das ein Moschee teppich sehr hohe Anforderungen erfüllen muβ. Speziell entworfene Moschee Teppiche zeichnen sich durch Design und Farben aus. Mit der Weiterentwicklung der Technologie werden heute Tausende von Farben und Modellen in Teppichen hergestellt, die mit Moscheen kompatibel sind.

100% Reine Schurwollteppich kaufen: Schurwollteppiche sind Schwerentflammbar, Robust, Strapazierfahig, Antibakteriel und Schmuzabweisend.

Canlı Maç Sonuçları Run 3 Play Snake Friv Atari Breakout cookie clicker unblocked games Düğün Paketleri uygunsigara.com/ Umzug Basel
saç ekimi hair transplant
Umzug Basel
seslendirme santral anons santral seslendirme
salt likit