RÁDIO REGIONAL
NACIONAL

ABORTOS DIMINUEM EM PORTUGAL

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O número de abortos desce pelo quinto ano consecutivo. De acordo com dados da Direcção-geral de Saúde, em 2016 foram feitas 15.959 interrupções da gravidez. Destas a maioria, 15,416, foi feita a pedido da mulher, o que representa uma diminuição de 3,8% em relação ao ano anterior. Isto é, foram feitos menos 457 abortos do que em 2015.

Dez anos depois do referendo que despenalizou a interrupção da gravidez por opção da mulher, o número de abortos mantém-se em curva descendente. O relatório da DGS sublinha a importância da lei nesta diminuição. “Antes da despenalização o número calculado de abortos realizados na população portuguesa era de 20 000. Ao longo dos anos este número nunca foi ultrapassado.

Desde 2011 tem-se registado uma diminuição de interrupções da gravidez em números absolutos, assim como, no número de interrupções por 1000 nados vivos. Usando este indicador para comparação Internacional é possível dizer que o número interrupções da gravidez por 1000 nados vivos em Portugal tem estado sempre abaixo da média Europeia.”

A contracepção pós interrupção continua também a aumentar. Em 2016, cerca de 94,5% das mulheres que realizaram IG por opção escolheram posteriormente, um método de contraceção.

Apesar de ser transversal na sociedade, as mulheres que mais abortaram têm idades entre os 20/24 anos (23,5%), não coabitavam com os parceiros (52,90%) e são trabalhadoras não qualificadas. “Apresenta 21,3%% do total dos registos, tendo ultrapassado a categoria “Desempregado” (18,6%), que diminuiu”, lê-se no relatório da DGS.

VEJA AINDA:

MAIORIA DOS CASOS DE MORTALIDADE MATERNA EM 2020 FORAM MULHERES COM COMORBILIDADES

Lusa

PANDEMIA ‘ATRASOU’ A PARIDADE DA IGUALDADE DE GÉNERO NO MUNDO LABORAL

Lusa

PORTO: HOSPITAL DE SÃO JOÃO VACINA GRATUITAMENTE MULHERES COM RISCO DE CANCRO

Lusa

JUSTIÇA: DISCRIMINAÇÃO SALARIAL DE MULHERES CUSTOU 112 MILHÕES À GOOGLE

Lusa

NÚMERO DE MULHERES QUE REALIZOU MAMOGRAFIA AUMENTOU ESTE ANO

Lusa

MULHERES CONTINUAM A GANHAR MENOS 17% QUE OS HOMENS (EM MÉDIA)

Lusa